web analytics

Geografia 10.º Ano – Exercícios sobre a Recursos Hídricos: Ciclo Hidrológico

1. Observe a figura 3 e 4 e responda às questões que se seguem.

1.1. De acordo com a fig. 3, a água doce na Terra:
(A) Encontra-se maioritariamente sob a forma de glaciares e gelos permanentes.
(B) Está, na maior parte, nos oceanos.
(C) Corresponde a uma percentagem inferior a 1% de toda a água disponível.
(D) Inclui apenas as águas superficiais e a que se encontra na atmosfera.

1.2. Apesar de existir em grandes quantidades, nem toda a água pode ser consumida pois:
(A) Nos lagos e aquíferos não encontramos água doce.
(B) Os oceanos, com 97,5% não chegam ao interior dos continentes.
(C) A água subterrânea depende da contínua recarga dos aquíferos.
(D) Apenas 2,5% não é água salgada.

1.3. O fornecimento da energia necessária ao ciclo da água provém:
(A) Do sol, que alimenta o sistema climático.
(B) Da libertação de energia nos processos de mudança de estado da água, na atmosfera.
(C) Do mar, com o movimento contínuo de ondas e marés.
(D) Do vento, responsável pela deslocação do ar na baixa atmosfera.

1.4. Ciclo hidrológico é um processo natural contínuo que transforma a água num recurso renovável. Corresponde a coluna A (processos) com a coluna B (efeitos do processo). Escreve na folha de teste a resposta correta.

Soluções:

Read more

Etapas de dessalinização da água do mar | Como é o processo de dessalinização da água do mar? (4/4)

Etapas e processo de dessalinização da água do mar?

Fonte: Circuito Ambiental, consultado a 29 de dezembro de 2023.

Dessalinização: o caso espanhol (3/4)

Em junho de 2023, o site Postal publicava o seguinte:

“O exemplo espanhol
Contudo Espanha é um dos países do mundo que mais produz água dessalinizada. De acordo com a Associação Espanhola de Dessalinização e Reutilização (AEDyR), “atualmente em Espanha a produção está à volta de 5.000.000 de m³/dia de água dessalinizada para abastecimento, irrigação e uso industrial”.

Segundo os mesmos dados, estão instaladas um total de 765 plantas de dessalinização com produções superiores a 100 m³/dia. 99 dessas são de grande capacidade com uma produção entre 10.000 e 250.000 m³/dia. 68 das 765 trabalham com água do mar, como acontecerá em Albufeira.”

O Jornal de Negócios aprofundava o caso espanhol:

O Governo de Espanha vai investir 11.839 milhões de euros para promover a dessalinização e a reutilização da água, bem como a eficiência na utilização do recurso, através da melhoria de condutas e infraestruturas regulatórias, uma vez que o país enfrenta uma situação de emergência de seca em 14,6% do seu território.
Além disso, segundo avança a agência EFE, Espanha vai apostar também em novas tecnologias para a digitalização da gestão da água, sendo para isso acrescentados mais 3.060 milhões de euros ao Projeto Estratégico de Recuperação e Transformação Económica (PERTE).
Segundo o Relatório de Gestão da Seca de Espanha, apresentando nesta terça-feira, 14,6% do território espanhol está em situação de emergência devido à seca, enquanto que 27,4% está em alerta, uma vez que a precipitação média global está 17,1% abaixo do valor normal em relação ao período de referência 1991-2020.

Dessalinização: o exemplo do Porto Santo – Região Autónoma da Madeira (2/4)

Dessalinização: o exemplo do Porto Santo

Notícia do Expresso, consultado a 29 de dezembro de 2023.

“No Porto Santo, toda a água potável vem do mar e é captada em quatro galerias construídas debaixo da praia. É assim há mais de 40 anos, altura em que se decidiu construir uma central dessalinizadora para resolver a escassez de recursos hídricos da ilha.
A central de dessalinização da praia do Porto Santo foi inaugurada em 1980 e, desde então, fornece água potável à região. Graças a esta infraestrutura, a população não sofre de escassez de água durante os meses mais quentes e, nos últimos 20 anos, tem sofrido aumentos e melhorias, de modo a torná-la mais eficaz.
O processo consiste na captação de água salgada através de quatro galerias localizadas na praia do Porto Santo, que posteriormente é tratada, mineralizada e distribuída na rede pública.
Depois de utilizada, é de novo tratada numa Estação de Tratamento de Águas Residuais, que a deixa própria para consumo.
Este ciclo permite à localidade poupar uma quantidade considerável de recursos hídricos, numa ilha árida onde é difícil armazenar a pouca água da chuva.
Este processo, utilizado na região há quatro décadas e que já é conhecido há mais de 100 anos, tem capacidade para abastecer as 30 mil pessoas que habitam a ilha durante todo o ano, sem qualquer falha.”

Notícia e vídeo retirado do site ARM – Águas e Resíduos da Madeira, S.A.

A Central Dessalinizadora do Porto Santo fez 40 anos (1970).
No final da década de 70, o Governo Regional da Região Autónoma da Madeira, decidiu aumentar a disponibilidade de água potável na Ilha do Porto Santo através do recurso à dessalinização da água do mar.
Pretendia-se minorar a crónica escassez de água desta ilha e fazer face a um previsível aumento da procura devido ao aumento do fluxo turístico.
No ano de 1980, entrou em funcionamento a Central Dessalinizadora do Porto Santo com uma capacidade de produção de 500 m3 diários, sendo à data uma das 5 unidades industriais deste tipo em todo o mundo a utilizar a tecnologia da Osmose Inversa.
Atualmente, é a única Dessalinizadora pública em Portugal e é gerida pela ARM – Águas e Resíduos da Madeira, S.A..


Download completo da brochura – ARM

Notícia – RTP Madeira

Dessalinização: solução para a seca e a falta de recursos hídricos no Algarve (1/4)

Em janeiro de 2023, a TSF noticiava o seguinte:

“Central de dessalinização que vai ser construída no Algarve terá o dobro da capacidade prevista
Estudo de impacto ambiental vai avaliar a melhor localização para a central dessalinizadora: Albufeira ou Lagos.”

Em junho de 2023, o Portal do Ambiente Online publicava a escolha de Albufeira:

“Dessalinizadora em Albufeira vai produzir um terço das necessidades urbanas de água na região sul
O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) congratulou-se esta sexta-feira com a proposta do Governo de construção de uma dessalinizadora no concelho de Albufeira, Algarve, que pode produzir um terço das necessidades urbanas de água na região sul.”

Nas próximas publicações, vou abordar o caso da central de Porto Santo – R.A. da Madeira (2/4), o caso espanhol (3/4) e um vídeo sobre as etapas da dessalinização (4/4).

Geografia: Orlas Mesocenozóicas Ocidental e Meridional (vista aérea)

Orlas Mesocenozóicas Ocidental e Meridional (vista aérea)

Maciço Antigo, também designado por Maciço Ibérico ou Maciço Hespérico.
Orla Mesocenozóica Ocidental, abreviadamente designada por Orla Ocidental.
Orla Mesocenozóica Meridional, abreviadamente designada por Orla Meridional.
Bacia Terciária do Tejo-Sado, abreviadamente designada por Bacia do Tejo-Sado.

Fonte: Associação Portuguesa de Geógrafos, consultado a 7 de julho de 2023.

Geografia: Bacia do Tejo e do Sado

Bacia do Tejo e do Sado

Nesta unidade, os sistemas aquíferos definidos são em número de quatro e as formações mais produtivas e que constituem o suporte dos sistemas são:

– formações quaternárias (aluviões e terraços)
– formações terciárias, fundamentalmente pliocénicas e miocénicas (Grés de Ota, Calcários de Almoster, Série greso-calcária, etc.)

A distribuição dos sistemas aquíferos pode observar-se no mapa:

Fonte: SNIRH, consultado a 8 de julho de 2023

Geografia: Orla Mesocenozóica Meridional

Orla Mesocenozóica Meridional

Nesta unidade, as principais litologias que constituem o suporte dos 17 sistemas definidos são:

– formações plioquaternárias (areias e cascalheiras continentais, areias de duna, etc.)
– formações miocénicas, fundamentalmente de fácies marinha
– formações detríticas e carbonatadas cretácicas
– formações calcárias e dolomíticas do Jurássico

A distribuição dos sistemas aquíferos pode observar-se no mapa:

Fonte: SNIRH, consultado a dia 8 de julho de 2023.

Geografia: Orla Mesocenozóica Ocidental

Nesta unidade encontram-se 27 sistemas aquíferos individualizados, em que as principais formações aquíferas são constituídas por:

– rochas detríticas terciárias e quaternárias (areias, areias de duna, terraços, aluviões, etc.)
– arenitos e calcários cretácicos
– calcários do Jurássico

A distribuição espacial pode ver-se no mapa:

Fonte: SNIRH, consultado a 8 de julho de 2023.

Geografia: Unidades Hidrogeológicas – Maciço Antigo

Nesta unidade foram individualizados 10 sistemas aquíferos, cujo suporte litológico é constituído, maioritariamente, por calcários, quartzitos e gabros paleozóicos, depósitos de idade terciária e terraços e cascalheiras que ocupam depressões instaladas no soco antigo.

A distribuição dos Sistemas pode observar-se no mapa:

Fonte: SNIRH, consultado a 8 de julho de 2023