web analytics

Geografia 11.º Ano – Floresta: Principais árvores em Portugal Continental

Principais árvores em Portugal Continental, milhares de hectares, 2015.

Fonte: Pordata, consultado a 11 de maio de 2022

Geografia – População: Que futuro tem a raia despovoada?

FIm de Linha – Peças Jornalisticas
Que futuro tem a raia despovoada?
Uma abordagem interessante, sobre o despovoamento e as suas consequências, para as aulas do 10.º ano.

Fonte: Público, consultado a 18 de abril de 2022.

Geografia – Civisa: Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores

Civisa: Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores
Para acompanhar ao detalhe, toda a situação sismovulcânica dos Açores, consulte o site CIVISA.
CIVISA CENTRO DE INFORMAÇÃO E VIGILÂNCIA SISMOVULCÂNICA DOS AÇORES

Notícias – Sismos na ilha de São Jorge quase a atingir os 25 mil registados

Quase 25 mil sismos registados na ilha de São Jorge e 221 sentidos pela população
A média é agora de “800 sismos por dia”, uma frequência diária considerada muitíssimo acima do que é normal nos Açores.
A ilha de São Jorge, nos Açores, registou perto de 25 mil sismos desde 19 de março, dos quais 221 foram sentidos pela população, revelou esta sexta-feira o presidente do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA).
“Foram registados 24.919 sismos até às 10:30 de hoje”, indicou o responsável aos jornalistas, no ‘briefing’ diário na ilha de São Jorge sobre a crise sismovulcânica que começou há cerca de duas semanas.
Desde as 00:00 de hoje até cerca das 10:00, foram registados “977 eventos, nenhum sentido pela população”, acrescentou Rui Marques, alertando que a frequência diária de sismos continua “muitíssimo acima” do habitual no arquipélago dos Açores.
(…)
Notícia completa: Diário de Notícias, consultado a 3 de abril de 2022.

Geografia – Glossário Sismológico, IPMA

Glossário Sismológico, IPMA.
Um breve resumo para entender melhor a situação atuação na ilha de São Jorge, Açores.
Acelerómetro – É um sensor que detecta a aceleração associada a movimentos do solo.
Escala de Mercalli – a escala que Giuseppe Mercalli elaborou em 1902 é a mais conhecida das escalas de intensidade. As revisões elaboradas em 1917 por Sieberg (MCS-17), em 1931 por Wood e Newmann (MM-31) e em 1956 por C. F. Richter(MM-56) foram e ainda são extensivamente utilizadas. Em Portugal utilizou-se nos serviços oficiais a escala MSC-17 de 1947 até 1960, a escala MM-31 de 1961 até 1973 (até 1974 nos Açores). A escala MM-56 (lê-se “Escala de Mercalli modificada de 1956”) tem sido a utilizada desde então.
Escala Macrossísmica Europeia de 1998 – esta escala é fruto de um extenso trabalho de revisão de muitas escalas de intensidade utilizadas internacionalmente e foi publicada em 1998 depois da avaliação de uma versão preliminar publicada em 1993. Esta escala tem vindo a ser mundialmente adoptada dada a sua coerência e robustez. É a Escala que o Instituto de Meteorologia vai passar a utilizar brevemente.
Escala de magnitude – são escalas que medem a quantidade de energia libertada de um sismo com base em observações recolhidas através de equipamento sísmico. São escalas abertas pois não têm minimo nem máximo. O valor máximo até hoje medido num sismo é de 9,5 (sismo de Chile em 1960). Os valores de magnitude também podem ser negativos. Existem muitas escalas de magnitude sendo a mais conhecida a Escala de Richter que foi desenvolvida para avaliar sismos locais e regionais na Califórnia por Charles F. Richter.
Epicentro – Ponto à superfície da Terra directamente sobre a vertical do hipocentro ou foco de um sismo.
Estação Sismica – é o conjunto de instrumentos que inclui um sensor, um sistema de registo (analógico ou digital) local ou remoto.
Falha – – É uma fractura ao longo da qual os lados opostos se moveram paralelamente e em sentido oposto entre si. A teoria de Reid descreve que essa fractura foi provocada por uma rotura de materiais frágeis durante um movimento brusco a que denomina “ressalto elástico” o qual se deve à acumulação de tensões originadas na própria dinâmica interna da Terra.
Falha Normal – É uma falha em que o bloco superior desce em relação ao bloco inferior. A direcção do movimento está contida num plano vertical.
Falha Inversa – É uma falha em que o bloco superior sobe em relação ao bloco inferior (em inglês: thrust ou reverse fault ). A direcção do movimento está contida num plano vertical.
Falha de desligamento – É uma falha em que os dois blocos se movem horizontalmente em relação um ao outro ( em inglês: strike-slip fault). A direcção do movimento está contida num plano horizontal.
Falha oblíqua – É uma falha em que a direcção do movimento tem simultaneamente uma componente vertical e uma componente horizontal.
Foco – ou Hipocentro – um ponto no interior da Terra a partir do qual se inicia o processo de rotura de um sismo.
Isossista – É a linha que separa duas zonas de diferente intensidade sísmica. Normalmente as isossistas são linhas fechadas em torno do epicentro.
Intensidade sísmica – É a classificação da severidade do movimento do solo provocado por um sismo numa área limitada com base nos efeitos observados em pessoas, objectos, estruturas e na natureza. A intensidade sísmica depende de um conjunto de factores em que se destacam a energia sísmica libertada, a distância ao epicentro e a geologia local. Para a atribuição de um valor de intensidade é utilizada uma escala em que para cada grau são descritos efeitos típicos. São exemplos de escalas de intensidade sísmica a Escala de Mercalli e a Escala Macrossísmica Europeia.
Neotectónica – É o ramo da geologia que estuda os movimentos e processos tectónicos ocorridos na actual fase de deformação regional da camada superficial rígida da Terra.
Onda Sísmica – São as ondas elásticas produzidas durante um sismo.
Onda de volume – É uma onda sísmica que atravessa o interior da Terra e que não está apenas relacionada com a zona superficial do planeta. As ondas P e S, por exemplo, são ondas de volume ou ondas volúmicas (em inglês: body wave).
Onda P – É uma onda cujo movimento é longitudinal, irrotacional, compressivo e dilatacional. Também é designada por onda primária por ser a primeira a ser detectada.
Onda S – É uma onda cujo movimento é de cisalhamento, rotacional, tangencial, equivolúmica, distorcional e transversa. Também é designada por onda secundária.
Ondas Superficiais – São ondas sísmicas que se propagam ao longo da superfície de um corpo ou ao longo de uma interface sub-superficial. Os dois tipos mais conhecidos são as de Love e as de Rayleigh.
Onda Rayleigh – É uma onda superficial cujo movimento numa superfície livre é retrógrado e elíptico.
Onda de Love – É uma onda superficial cujo movimento numa superfície livre é obliquo ou transverso à direcção de propagação.
Perigo sísmico – É o potencial destrutivo dos sismos, seja qual for a forma que esta capacidade destrutiva se apresente (em inglês: seismic hazard)
Rede Sísmica – É o conjunto de estações sísmicas cuja informação é transmitida para um centro de dados.
Réplicas – É o nome que se dão aos sismos que se seguem ao sismo principal e que se originam no mesmo ambiente sismogénico, decrescendo de frequência e magnitude com o tempo. Geralmente seguem padrões razoavelmente definidos. Durante vários anos podem ser geradas réplicas após um sismo de grande magnitude (em inglês: aftershocks) dados.
Risco Sísmico – Resulta da conjugação entre o perigo sísmico e a vulnerabilidade sísmica numa determinada região e num determinado período de tempo.
Sismologia – É a ciência na área da Geofísica Interna que estuda os sismos e que através deles tenta interpretar a estrutura do interior da Terra.
Sismotectónica – É a área interdisciplinar que estuda a ligação entre os sismos e os movimentos nas falhas que os produzem.~
Sismo – É o tremor do solo devido à passagem de ondas elásticas geradas numa determinada zona da litosfera. São possíveis origens destas ondas elásticas a libertação de energia associada a movimentos súbitos em falhas tectónicas e vários tipos de explosões ou implosões, quer sejam naturais ou artificiais. Os termos terramoto, tremor de terra e sismo são normalmente usados com igual significado.
Sismos naturais – São aqueles que têm a sua origem na dinâmica da própria natureza.
Sismos tectónicos – São sismos que estão relacionados com movimentos de roturas em falhas activas.
Sismos vulcânicos – São os sismos que estão relacionados com processos vulcânicos activos. Há vários tipos de eventos sismo-vulcânicos em que uns são mais relacionados com processos elásticos e outros mais relacionados com processos da dinâmica de fluidos. O estudo da sismologia vulcânica é uma área muito específica em pleno desenvolvimento. O tratamento do sinal sísmico nesta área pode ser desde muito semelhante a completamente diferente daquele utilizado na sismologia tradicional.
Sismos de colapso ou de implosão – São os sismos provocados pelo colapso em cavernas, desmoronamentos em minas, movimentos de massa à superfície ou mudanças de fase mineral em grande profundidade.
Sismos artificiais – São os sismos que tem origem nas acções do Homem sobre a natureza. São exemplos os sismos originados por explosões, por colapsos de minas e os eventos sísmicos induzidos pela extracção ou introdução de materiais na crosta, enchimento de albufeiras, etc.
Sismos premonitórios – São os sismos que geralmente precedem um sismo maior que é considerado o principal de uma série. Os sismos premonitórios podem ocorrer desde vários segundos a vários anos antes do principal mas desenvolvem-se sempre no mesmo ambiente sismogénico deste (em inglês: foreshocks).
Sismómetro – É um sensor que detecta movimentos na superfície da Terra e transmite essa informação para outros aparelhos onde podem ser registados e posteriormente medidos.
Sismograma – É um gráfico produzido por um sismógrafo.
Tectónica – É o ramo da geologia que lida com as causas e efeitos das grandes características estruturais da camada superficial rígida da Terra.
Vulnerabilidade sísmica – é o potencial de danos sobre pessoas e bens que podem ser causados por sismo.
Fonte: IPMA, consultado a 3 de abril de 2022.

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Inundação, Vale do Rio Mondego, nível médio das águas do mar, alterações climáticas, planeamento e ordenamento do território, superfícies frontais

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 5
5. A Figura 5 representa a área suscetível de inundação atual no vale do rio Mondego e a projetada para 2050, tendo em conta o efeito da subida do nível médio das águas do mar, decorrente das alterações climáticas.

5.1. Um impacte da subida do nível médio das águas do mar na área de inundação projetada para 2050, identificada na Figura 5, é
(A) o aumento do assoreamento do leito do rio.
(B) a redução das espécies piscícolas marinhas.
(C) o avanço acentuado da linha de costa.
(D) a diminuição da salinidade das águas fluviais.
5.2. De acordo com a Figura 5, prevê-se que, em 2050, a área de inundação no vale do rio Mondego alcance, aproximadamente, ____________ a ____________ do limite de inundação atual.
(A) 40 km … montante
(B) 40 km … jusante
(C) 20 km … montante
(D) 20 km … jusante
5.3. Selecione as duas medidas que, no âmbito do planeamento e ordenamento do território, permitem a adaptação à subida do nível médio das águas do mar prevista para as margens do rio Mondego.
I.  A construção de diques a montante da área inundada em 2050.
II. A relocalização de habitações das áreas de risco de inundação.
III. A colocação de areias nas praias durante o verão.
IV. A plantação de espécies vegetais adaptadas às águas salobras.
V. A desobstrução das linhas de água dos afluentes do rio Mondego.
5.4. Explique, apresentando dois aspetos, como a passagem sucessiva de superfícies frontais pode provocar cheias no curso inferior dos rios.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Agricultura, Olival, Montado, Hidroponia

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 4
4. O Alentejo, ao longo dos últimos anos, tem registado modificações na atividade agrícola: a barragem de Alqueva e as estufas permitiram mudanças na prática agrícola, que, conjuntamente com o montado, diversificam a paisagem agrária.
Na Figura 4, observam-se três fotografias de paisagens agrárias do Alentejo.

4.1. A plantação de olival, de que é exemplo a paisagem da Fotografia A, da Figura 4, é praticada em sistema de monocultura
(A) extensivo e de regadio.
(B) intensivo e de sequeiro.
(C) extensivo e de sequeiro.
(D) intensivo e de regadio.
4.2. O cultivo em estufas, como o ilustrado na Fotografia B da Figura 4, visa, entre outros aspetos,
(A) adequar as culturas temporárias às condições edafoclimáticas da região.
(B) aproveitar as reservas de água doce dos aquíferos para a utilização na rega.
(C) permitir a produção em períodos fora da época do ciclo vegetativo normal.
(D) potenciar a insolação, para intensificar a produção de hortofrutícolas na época estival.
4.3. Identifique as duas afirmações verdadeiras, com base na análise das fotografias da Figura 4 e no conhecimento sobre as áreas rurais.
I.  Nas estufas, a hidroponia é uma técnica que se adequa à produção de culturas hortofrutícolas.
II. O sistema de montado acentua a desertificação na região do Alentejo.
III. A criação extensiva do porco ibérico é um entrave à certificação dos produtos derivados.
IV. As técnicas de produção utilizadas no olival contribuem para o aumento da produtividade.
V. O trabalho agrícola é dificultado pela morfologia do relevo dominante na região do Alentejo.
4.4. O montado é um sistema agro-silvo-pastoril de grande valor natural, económico e social. Embora sejam valorizados diversos produtos, destaca-se a cortiça pelo seu valor económico.
Justifique a importância da cortiça nacional para a economia do país, apresentando dois argumentos.
4.5. As Imagens A e B correspondem à mesma área rural em dois anos diferentes, 2004 (A) e 2019 (B).

Duas das alterações na paisagem agrária visíveis na área da Imagem B, decorrentes da construção de estufas, são
(A) a densificação dos caminhos rurais e a maior regularidade das parcelas agrícolas.
(B) a intensificação do sistema de cultivo e a maior regularidade das parcelas agrícolas.
(C) a intensificação do sistema de cultivo e a maior dispersão do povoamento rural.
(D) a densificação dos caminhos rurais e a maior dispersão do povoamento rural.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Recursos Píscicolas, Pescas, Sardinha, Faixa Costeira

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 3
3. A distribuição da sardinha ocorre, principalmente, na faixa costeira do Atlântico Nordeste.
A Figura 3 representa a distribuição da sardinha na costa de Portugal continental, cuja maior concentração se verifica até aos 100 m de profundidade.

3.1. De acordo com a Figura 3, a maior abundância de sardinha ocorre entre ______________ , numa
área integrada na ______________.
(A) Aveiro e Figueira da Foz … planície abissal
(B) Nazaré e Peniche … planície abissal
(C) Aveiro e Figueira da Foz … plataforma continental
(D) Nazaré e Peniche … plataforma continental
3.2. A sardinha é uma espécie capturada na área representada na Figura 3, entre a primavera e o outono.
Refira, justificando, dois fatores naturais que favorecem a disponibilidade de sardinha no período do ano indicado.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Energia Renovável, Energia Não Renovável, Central Geotérmica, Mapa Hipsométrico

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 2
2. A central geotérmica do Pico Alto, na ilha Terceira, entrou em funcionamento em agosto de 2017, estimando-se que, em 2018, tenha providenciado 10% das necessidades de consumo da ilha.
Fonte: A Transição Energética em Portugal e a Contribuição para a Neutralidade Carbónica, Evento Temático do RNC2050, O Roteiro para a Neutralidade Carbónica, Lisboa, 2018, in descarbonizar2050.apambiente.pt (consultado em outubro de 2020). (Texto adaptado)

2.1. Identifique as afirmações verdadeiras, de acordo com a informação da Figura 2.
I.  A concessão da central geotérmica do Pico Alto localiza-se entre os 500 m e os 700 m de altitude.
II. Os afloramentos de água termal ocorrem nas áreas com maior declive.
III. O aproveitamento geotérmico ocorre em todos os afloramentos de águas termais.
IV. As altitudes mais elevadas ocorrem na parte nordeste da ilha.
V. As duas fontes termais mais afastadas distam entre si mais de 15 km.
2.2. O potencial geotérmico de ilhas como a da Terceira, no arquipélago dos Açores, está associado
(A) ao elevado escoamento de águas subterrâneas.
(B) à existência de temperaturas muito elevadas no subsolo.
(C) ao predomínio de um relevo montanhoso.
(D) à ocorrência de sismos de fraca intensidade.
2.3. Considere a afirmação seguinte.
A construção da central geotérmica do Pico Alto vem dar um contributo na transição para uma economia competitiva e de baixo carbono, em Portugal.
Justifique a veracidade da afirmação, apresentando duas razões.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – População, Crescimento Demográfico, Crescimento Efetivo, Saldo Migratório, Taxa de Natalidade, Taxa de Mortalidade, Emigração, Imigração

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 1
1. As flutuações da população residente nos últimos anos resultam do comportamento das variáveis demográficas e das políticas económicas e sociais.
A Figura 1A representa o crescimento demográfico, em Portugal, por NUTS II, em 2019, e a Figura 1B representa o saldo migratório, em Portugal, no período de 2009 a 2019.

1.1. Identifique as duas afirmações verdadeiras, recorrendo à análise das Figuras 1A e 1B.
I.  Na A. M. Lisboa, o crescimento demográfico refletiu o elevado número de imigrantes, relativamente
ao número de emigrantes, e um número de nascimentos superior ao número de óbitos.
II. Em 2019, o valor do crescimento efetivo registado na R. A. Açores corresponde à diferença entre o saldo natural e o saldo migratório.
III. Em 2019, as NUTS II Alentejo e Algarve foram as que menos contribuíram para o crescimento demográfico do país.
IV. O valor do saldo migratório diminuiu entre 2009 e 2012, porque a emigração permanente foi sempre superior à imigração permanente.
V. Os anos que registaram um saldo migratório mais baixo foram 2015 e 2016.
1.2. A região da NUTS II que registou uma mortalidade inferior à natalidade, de acordo com a Figura 1A, foi
(A) R. A. Madeira.
(B) Centro.
(C) Algarve.
(D) A. M. Lisboa.
1.3. O crescimento demográfico por NUTS II, observado na Figura 1A, reflete-se no território nacional, por
(A) acentuar a polarização demográfica.
(B) atenuar a metropolização.
(C) acentuar a dispersão demográfica.
(D) atenuar a litoralização.
1.4. De acordo com a Figura 1B, os valores do saldo migratório registados entre 2011 e 2016 permitem inferir que ocorreu
(A) um decréscimo do índice de dependência total.
(B) um crescimento efetivo negativo da população.
(C) uma subida significativa do êxodo rural.
(D) uma diminuição da população ativa nacional.
1.5. As migrações influenciam diretamente o dinamismo empresarial de Portugal.
Considere os seguintes cenários:
A – aumento da imigração com reduzida qualificação e aumento da emigração qualificada;
B – aumento da imigração qualificada e redução da emigração qualificada.
Selecione um dos cenários, A ou B. Apresente duas consequências que o cenário escolhido terá no dinamismo empresarial do país, justificando a sua resposta.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021