web analytics

Vídeo: Geoética: Congo e a chamada perdida (Coltan: columbita e tantalita).

Geoética: Congo e a chamada perdida (Coltan: columbita e tantalita)

Fonte: Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, consultado a 30 de dezembro de 2023

Notícia: Viagem ao berço do coltan, o coração dos ‘smartphones’.

Antes de chegar ao Playstation, ao telefone celular ou às câmeras fotográficas, o tântalo que lhes permite funcionar passou possivelmente por uma lata de molho de tomate. Ou por algum dos outros testes de qualidade locais feitos no leste da República Democrática do Congo, onde ficam as maiores reservas mundiais de coltan — estima-se que 75% delas — um mineral do qual o tântalo é um dos componentes. É o rei da era digital, um mineral com propriedades únicas onipresente em produtos eletrônicos.

Notícia completa e fonte: El País – Brasil, consultado a 30 de dezembro de 2023.

Lítio: Video sobre o lítio e a sua exploração em Portugal

Video sobre o lítio e a sua exploração em Portugal.

Fontes: Alexandre Lima – youtube, consultado a 27 de dezembro de 2023.
Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, consultado a 27 de dezembro de 2023.

Natalidade: Nasceram mais de 60 mil bebés no SNS até Novembro de 2023

Nasceram mais de 60 mil bebés no SNS até Novembro
Regista-se um aumento de 2,3% quando comparado com o mesmo período de 2022. Entre Julho e Novembro foram encaminhadas para os privados 111 grávidas consideradas de baixo risco.

Nos primeiros 11 meses deste ano nasceram no Serviço Nacional de Saúde (SNS) 60.613 bebés, o que representa um aumento de 2,3% quando comparado com o mesmo período de 2022, informa a direcção executiva do SNS (DE-SNS), num balanço da Operação Nascer em Segurança. Também de acordo com aquele organismo, entre Julho e Novembro foram encaminhadas para os hospitais privados 111 grávidas de baixo risco.

Num olhar só sobre a região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se registam os maiores constrangimentos, a DE-SNS aponta um aumento de nascimentos de 3% entre Janeiro e Novembro: 22.629 crianças, quando no ano passado foram 22.018. Fora da contabilidade ficou o Centro Hospitalar do Oeste, que durante parte deste ano teve a urgência e o bloco de partos encerrados para obras, levando ao encaminhamento destas grávidas para Leiria.

Privados receberam 111 grávidas

Perante o cenário e o plano traçado para o Verão, a DE-SNS estabeleceu convenções com os três maiores grupos privados do sector para o encaminhamento de grávidas de baixo risco com mais de 36 semanas de gestação. Segundo o balanço feito agora, entre Julho e Novembro, “o INEM orientou 111 grávidas para os hospitais convencionados, ou seja, menos de uma grávida por dia”.

“Como todos os dias são efectuados cerca de 69 partos nesta região, tal significa que 99% dos casos tiveram resposta no SNS, o que realça a sua prontidão e suficiência”, reforça a DE-SNS. Aquele organismo pede às grávidas para contactarem o SNS24 (808 24 24 24) ou o INEM antes de se deslocarem a um hospital.

O balanço da Operação Nascer em Segurança sublinha que as urgências de ginecologia/obstetrícia responderam com “qualidade e segurança” e com proximidade, “excluindo algum caso pontual por deficiência na utilização do sistema”. Mas não é dada nenhuma indicação do que se espera a partir do próximo ano.

Fonte: Público, consultado a 27 de dezembro de 2023.

Demografia 2022: pirâmide etária de 2022, projeção de 2050, indicadores demográficos, evolução da população em Portugal e Taxa de Mortalidade

Bom dia!!

Partilho alguns indicadores demográficos de Portugal e a projeção da população portuguesa, para o ano de 2050.

Fonte: Expresso, consultado a 29 de dezembro de 2023.

Geografia 10.º Ano – Recenseamento demográfico em Portugal: dados de entidades públicas acabam com inquéritos porta-a-porta

O recenseamento demográfico em Portugal vai passar a ser feito através do cruzamento de informações cedidas ao Instituto Nacional de Estatística (INE) por entidades públicas, sobretudo da Segurança Social e da Autoridade Tributária.

Se há dois anos ainda recebeu no Correio uma carta com os códigos de acesso para preencher os censos de 2021 pela internet, saiba que a partir de 2031 os inquéritos porta-a-porta, ou mesmo digitais, vão acabar.

O recenseamento demográfico em Portugal vai passar a ser feito através do cruzamento de informações cedidas ao Instituto Nacional de Estatística (INE) por entidades públicas, sobretudo da Segurança Social e da Autoridade Tributária.

A informação foi avançada pelo presidente do INE, Francisco Lima, à TSF. Este novo modelo vai permitir uma atualização anual da população residente, já a partir de 2025 ou 2026, estima o responsável pelo gabinete estatístico.

O novo modelo vai ainda permitir ao INE obter informações como o padrão de consumo que se altera com a chegada de um filho, o que, através dos tradicionais inquéritos, seria impossível de conseguir.

Segundo o INE, nas últimas décadas já se tem assistido a uma mudança na recolha deste tipo de dados em vários países da Europa. Noruega, Finlândia e Suécia adotaram o modelo baseado apenas em informações administrativas.

Países como Espanha, Itália e Alemanha têm uma combinação de inquéritos com elementos institucionais.

Fonte: Sic Notícias, consultado a 15 de novembro de 2023.

Geografia: Exame Nacional 2021/2022 – Demografia e População

1. Nas últimas décadas, Portugal tem vindo a registar alterações significativas na sua demografia.
A Figura 1 representa a taxa de variação da população residente em Portugal, por município, entre 2011 e 2021.

Figura 1 – Taxa de variação da população residente em Portugal, por município, entre 2011 e 2021.
Fonte: Divulgação dos Resultados Preliminares dos Censos de 2021, Destaque, INE, I.P., Lisboa, julho de 2021, p. 4, in www.ine.pt (consultado em outubro de 2021). (Adaptado)

1.1. De acordo com a Figura 1, duas das NUTS III em que dois dos municípios registam perda de população superior a 13,4% são
(A) Alentejo Central e Baixo Alentejo.
(B) Baixo Alentejo e Região de Aveiro.
(C) Viseu Dão Lafões e Alentejo Central.
(D) Região de Aveiro e Viseu Dão Lafões.

1.2. A taxa de variação da população residente nas regiões autónomas, de acordo com a Figura 1, evidencia
(A) um decréscimo populacional superior a 4,4% em todos os municípios da Região Autónoma da Madeira.
(B) um aumento populacional superior a 4,7% nos municípios do grupo oriental da Região Autónoma dos Açores.
(C) um decréscimo populacional inferior a 4,4% nos municípios da costa norte da ilha da Madeira.
(D) um aumento populacional inferior a 4,7% no município da área ocidental da ilha do Pico.

1.3. Na maioria dos municípios do interior de Portugal continental, os valores da taxa de variação da
população residente observados na Figura 1 devem-se, entre outras razões,
(A) ao saldo fisiológico positivo, resultante do aumento da taxa bruta de natalidade.
(B) ao crescimento natural negativo, resultante da diminuição da taxa bruta de mortalidade.
(C) ao saldo migratório positivo, resultante do aumento da imigração permanente.
(D) ao crescimento efetivo negativo, resultante do saldo natural negativo.

1.4. Uma medida que pode ser adotada para inverter a tendência de variação da população residente de
alguns municípios do interior de Portugal continental, evidenciada na Figura 1, é
(A) o investimento de recursos exógenos em centrais fotovoltaicas.
(B) o incentivo financeiro à fixação de empresas intensivas em mão de obra.
(C) a melhoria dos equipamentos sociais de apoio domiciliário aos idosos.
(D) a promoção do trabalho não qualificado em atividades agrícolas sazonais.

1.5. De acordo com a Figura 1, a maioria dos municípios da Área Metropolitana de Lisboa (AML) registou um crescimento populacional.
Refira dois impactes negativos deste comportamento demográfico, fundamentando a sua resposta no âmbito do ordenamento do território da AML.

Guião:
– Aprendizagens essenciais:
Tema 1. A população, utilizadora de recursos e organizadora de espaços
Subtema: A população: evolução e diferenças regionais
Conceitos: crescimento natural, saldo migratório, taxa de natalidade, taxa de mortalidade, taxa de mortalidade infantil, esperança de vida à
nascença, crescimento efetivo, estrutura etária, taxa de fecundidade, índice de renovação de gerações, índice sintético de fecundidade,
envelhecimento demográfico, índice de dependência de idosos, índice de dependência de jovens, nível de qualificação profissional, estrutura
ativa, desemprego, emprego temporário, taxa de alfabetização, taxa de desemprego, tipos de emprego, desenvolvimento sustentável, qualidade
de vida.
Subtema: A distribuição da população
Conceitos: êxodo rural, assimetrias regionais, capacidade de carga humana, despovoamento, litoralização, ordenamento do território.

Geografia – Natalidade: Estão a nascer mais bebés em Portugal pelo segundo ano consecutivo

Aumento da natalidade: nasceram 41.802 bebés no primeiro semestre de 2023, mais 2400 do que no mesmo período do ano passado.

Pelo segundo ano consecutivo, estão a nascer mais bebés em Portugal. Só nos primeiros seis meses do ano, o número de nascimentos aumentou 6%.
De acordo com os dados do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, o número de nascimentos aumentou em 6% nos primeiros seis meses do ano, o que significa mais 2400 nascimentos do que no mesmo período do ano passado.
Depois da quebra histórica da natalidade em 2021, ano em que o país ficou abaixo dos 80 mil nascimentos, há agora uma recuperação.
E apesar de Portugal registar níveis pré-pandemia, este ligeiro aumento deverá manter-se contido.
Segundo a Associação Portuguesa de Demografia, a natalidade poderá não crescer mais devido às crescentes dificuldades económicas e aos diferentes estilos de vida dos portugueses.

Fontes:
SicNotícias, consultado a 22 de julho de 2023
Expresso, consultado a 22 de julho de 2023

Geografia: População do Japão envelhece a uma “velocidade estonteante”, mas a necessidade de dar sentido aos anos ultrapassa fronteiras

População do Japão envelhece a uma “velocidade estonteante”, mas a necessidade de dar sentido aos anos ultrapassa fronteiras

Com a esperança média de vida a aumentar e os nascimentos e casamentos a diminuir, a população japonesa tem vindo a reduzir-se e a envelhecer, tendência que se manterá. A par surge a solidão dos mais velhos, muitas vezes marcada pela falta de um ikigai – uma razão de viver. O retrato de um problema não só demográfico, mas sobretudo social, que não conhece fronteiras.

Michi Kakutani tem 78 anos e aderiu a um programa, promovido pelo Estado, de eutanásia voluntária para pessoas com mais de 75 anos. Esta é a história da protagonista do filme japonês “Plan 75”, lançado no ano passado e em estreia no Reino Unido este mês – sem data prevista para Portugal. Trata-se de ficção mas, segundo a realizadora, a solução está “longe de ser impossível” num país que é um dos que está a envelhecer mais rapidamente a nível global.

Com cerca de 126 milhões de habitantes, 30% da população do Japão tem 65 ou mais anos – um valor apenas ultrapassado pelo Mónaco, com 36%, segundo dados do Banco Mundial. A esperança média de vida atinge os 84 anos, um número que também coloca o país nos lugares cimeiros. Enquanto o tempo de vida se prolonga, a taxa de natalidade tem vindo a diminuir, situando-se em 1,3 filhos por mulher.

A conjugação destes fatores é “tremenda” e justifica como o índice de envelhecimento “cresceu esmagadoramente”, explica ao Expresso o presidente da Associação Portuguesa de Demografia (APD), Paulo Machado. “O Japão está a perder população mas, acima de tudo, é a mudança da estrutura etária que é brutal. O país continuará a envelhecer a uma velocidade estonteante, pelo menos até 2050, com quatro vezes e meia mais idosos do que jovens”, prevê o especialista.

Aspetos culturais e de estilo de vida estão na base desta evolução. A alimentação saudável, a prática de atividade física, uma forma de estar tranquila e até fatores genéticos são apontados como relevantes para a longevidade, não só dos japoneses, mas dos asiáticos em geral. A valorização e respeito pelos mais velhos é uma característica que “continua muito forte” no Japão, segundo Paulo Machado. Há até um feriado, desde os anos 1960, para o assinalar – a celebração ocorre na terceira segunda-feira de setembro.

Mas há outros valores relevantes, como a importância atribuída à família e ao casamento. “A taxa de nascimentos fora do casamento, que na Europa é enorme – em Portugal, por exemplo –, no Japão é muito baixa”, explica o demógrafo. Tal significa que os filhos apenas são considerados “legítimos” se nascidos no seio de um casamento – mas dar o nó é algo que tem vindo a diminuir ao longo dos últimos anos.

Uma percentagem recorde de homens (17,3%) e mulheres (14,6%) japoneses, com idades entre os 18 e os 34 anos, indicaram que não tencionam casar-se, revela um estudo governamental divulgado em setembro de 2022, relativamente a um inquérito realizado no ano anterior. “O entendimento de muitos jovens japoneses de que o casamento diminui a sua qualidade de vida ou que é difícil encontrar um parceiro à altura leva-os a retardar e, no limite, a nunca consumar o casamento”, justifica Paulo Machado.

TENTATIVAS DE MUDANÇA
Para o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, o envelhecimento da população e a baixa taxa de natalidade representam um risco urgente, alertou em janeiro. “O Japão está à beira de saber se pode continuar a funcionar como sociedade. Concentrar a atenção nas políticas relativas às crianças é uma questão que não pode esperar e não pode ser adiada”, afirmou. Uma nova agência foi criada, já em abril, para responder ao desafio.

“Sem capacidade de renovação geracional”, existe uma “preocupação muito grande, mais do que têm os europeus”, mas “o resultado é que não é o desejado”, resume o presidente da APD. No entanto, não é só o Japão a não conseguir alterar o curso deste caminho demográfico. “Aquilo que se demonstra, à escala mundial, é que onde as políticas surtiram algum efeito foi em países com regimes totalitários. A democracia convive mal com a demografia, do ponto de vista da transformação das condições através das políticas demográficas.”

Ainda assim, há uma certeza: a relação entre trabalho e família é determinante, através de horários flexíveis e da possibilidade de acompanhamento do crescimento dos filhos, por exemplo. “As alterações em termos da organização do trabalho são decisivas para facilitar ou, pelo contrário, dificultar a procriação. As medidas orientadas para a conciliação entre família e trabalho são as mais impactantes”, salienta Paulo Machado.

SENTIDO E PROPÓSITO
Para lá de um problema demográfico, encontra-se uma questão social: o envelhecimento que, muitas vezes, conduz ao isolamento e solidão – independentemente das coordenadas geográficas. “Fiz este filme especificamente para evitar que um programa como este se torne realidade”, esclarece Chie Hayakawa, em entrevista ao “The Guardian” na semana passada. A realizadora de “Plan 75” fala na importância de existir uma “razão para viver”.

Encontrar um sentido é “extremamente importante” na fase mais avançada de vida, classifica a gerontóloga Lia Araújo. Enquanto durante a juventude e na vida ativa não é necessário “um grande esforço para encontrar um sentido de utilidade e de propósito”, uma vez que se trata de algo “muito normativo” – como, por exemplo, frequentar a escola ou, depois, encontrar emprego –, tal “deixa de ser tão direto” a partir da reforma.

“É preciso que cada pessoa encontre um sentido relacionado com o seu percurso de vida, os seus interesses pessoais e também com aquilo que a sociedade oferece”, afirma a investigadora do CINTESIS, onde integra o grupo AgeingC, focado no envelhecimento. Para os japoneses, trata-se do ikigai, que se pode traduzir no motivo que nos faz acordar diariamente.

“O chamado projeto de vida não faz sentido só para um jovem, faz sentido também para uma pessoa mais velha. A pessoa mais velha cumpriu muitos objetivos, mas ainda deve acreditar que tem outros para cumprir. E quando ela perde esse foco e essa crença, perde sentido e é isso que, muitas das vezes, resulta em problemas sérios de sintomatologia depressiva e desejo de morrer”, como retratado no filme, enquadra Lia Araújo.

A ausência de um propósito coexiste, em muitos casos, com a solidão. “Infelizmente, esta é a realidade de muitas pessoas mais velhas em Portugal. Perdem companhia e objetivos, sentem que estão a dar trabalho e algumas acabam mesmo por desejar morrer. Isso é culpa de toda a sociedade”, declara a também professora da Escola Superior de Educação de Viseu. Paulo Machado acrescenta que “a revolta das pessoas é justamente porque não se consideram inúteis e, no entanto, a prática social acaba por permitir-lhes essa leitura, mas elas não são inúteis”.

Dados do Serviço Nacional de Saúde indicam que o sentimento de solidão aumenta com a idade: 9,9% entre os 50 e os 64 anos e 26,8% com 85 anos ou mais. “O que é terrível é verificarmos que, no dia a dia, para as coisas mais básicas, boa parte das pessoas mais velhas não podem contar com o apoio das pessoas mais novas. Temos um conjunto de pessoas em número crescente que não têm a capacidade de beneficiar desse jogo de interação intergeracional, que é decisivo para a sua qualidade de vida”, realça o demógrafo. “Isto é um quebranto em toda a linha. Não é só do ponto de vista demográfico, é o quebranto social, que afeta o mais estruturante da nossa vida coletiva.”

Fonte: Expresso, consultado a 8 de julho de 2023

Geografia: Orlas Mesocenozóicas Ocidental e Meridional (vista aérea)

Orlas Mesocenozóicas Ocidental e Meridional (vista aérea)

Maciço Antigo, também designado por Maciço Ibérico ou Maciço Hespérico.
Orla Mesocenozóica Ocidental, abreviadamente designada por Orla Ocidental.
Orla Mesocenozóica Meridional, abreviadamente designada por Orla Meridional.
Bacia Terciária do Tejo-Sado, abreviadamente designada por Bacia do Tejo-Sado.

Fonte: Associação Portuguesa de Geógrafos, consultado a 7 de julho de 2023.

Geografia: Bacia do Tejo e do Sado

Bacia do Tejo e do Sado

Nesta unidade, os sistemas aquíferos definidos são em número de quatro e as formações mais produtivas e que constituem o suporte dos sistemas são:

– formações quaternárias (aluviões e terraços)
– formações terciárias, fundamentalmente pliocénicas e miocénicas (Grés de Ota, Calcários de Almoster, Série greso-calcária, etc.)

A distribuição dos sistemas aquíferos pode observar-se no mapa:

Fonte: SNIRH, consultado a 8 de julho de 2023