web analytics

Geografia – Mapa de Praias

Sistemana Nacional de Informação de Ambiente (SNIAMB) – Mapa de Praias

No site do SNIAMB podemos consultar o nível de limpeza e qualidade das águas costeiras, o número de águas balneares, número de bandeiras azuis e outras informações relevantes sobre as nossas praias.

Link: Mapa de Praias, consultado a 14 de agosto de 2022.
Fonte: Sniamb, consultado a 14 de agosto de 2022.

Geografia: Mapa interativo: Portugal tem 75 praias com risco de derrocada

Mapa interativo. Portugal tem 75 praias com risco de derrocada
A Agência Portuguesa do Ambiente divulgou uma lista de 75 praias com arribas perigosas, todas situadas no sul do país.

Com as temperaturas elevadas do verão, um dos destinos preferidos dos portugueses são as praias. A beleza natural da costa portuguesa é muito concorrida como local de eleição de muitos para as suas férias, mas também esconde alguns perigos.
A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) dá conta de 75 praias portuguesas, todas na região do Algarve, onde os veraneantes devem ter especial cuidado com o risco de derrocada de arribas.
Em Albufeira encontram-se 24 praias com zonas de perigo de desmoronamento, tornando este no concelho com mais faixas de risco em Portugal continental.
Em Lagoa, são 17 as praias sinalizadas, enquanto Vila do Bispo tem 11 praias com arribas instáveis e Portimão nove. Em Aljezur estão sinalizadas sete praias em perigo e em Lagos existem cinco praias em risco.
No concelho de Silves, a APA alerta para o perigo nos dois sentidos, Poente e Nascente, na Praia de Armação de Pêra.


Legenda: As 75 arribas de risco no Algarve.

De acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente, os desmoronamentos ocorrem de forma instantânea, “dependendo de inúmeros fatores, como a intensidade e frequência da ação de agentes climáticos, a fraturação e o tipo de rocha em que a arriba é talhada, a ocupação humana, a presença de vegetação, a vibração, a sismicidade, entre outros”.
As faixas de risco correspondem “à área passível de ser ocupada pelos resíduos de desmoronamentos”, com uma largura igual a 1,5 vezes a altura da própria arriba.
Desta forma, em conjunto com outras entidades, a APA assinalou, com placas de risco, as praias portuguesas cujas arribas estão em perigo de desmoronamento, de modo a evitar cenários indesejáveis. Para garantir o respeito pela sinalética de perigo, a permanência ou circulação em zonas interditas pode levar ao pagamento de coimas, com valores entre os 30 e os 100 euros.

Mapa interativo: 75 arribas de risco no Algarve, consultado a 14 de agosto de 2022.
Informação e folhetos informativos: Agência Portuguesa do Ambiente (APA), consultado a 14 de agosto de 2022.
Exemplo de folheto informativo: Praia do Alvor – Nascente, consultado a 14 de agosto de 2022.

Fonte: Rádio Renascença, consultado a 14 de agosto de 2022.

Notícias: 29 de Junho de 2022: o dia mais curto registado na Terra

29 de Junho de 2022: o dia mais curto registado na Terra
Nos últimos anos, a velocidade de rotação da Terra sobre o eixo (o que determina um dia) tem vindo a aumentar.

A Terra registou o seu dia mais curto desde que se começaram a usar relógios atómicos para avaliar a velocidade da sua rotação, de acordo com o site Timeanddate. Tudo aconteceu a 29 de Junho de 2022: nesse dia, a Terra demorou menos 1,59 milissegundos a completar uma rotação. O dia não chegou assim a ter 24 horas (ou 86.400 segundos).

A Terra gira uma vez a cada 24 horas. Geralmente, frisa-se no Timeanddate, durante longos períodos de tempo, a rotação da Terra vai abrandando. “A cada século, a Terra leva um par de milissegundos ou até mais para completar uma rotação”, lê-se no site. Contudo, apesar deste padrão, a velocidade de rotação do planeta vai flutuando. E, nos últimos anos, <strong>a velocidade de rotação da Terra sobre o eixo (o que determina um dia) tem vindo mesmo a aumentar.

Em 2020, o Timeanddate indicava que a Terra tinha atingido então o seu dia mais curto desde que se começaram a usar relógios atómicos para avaliar a velocidade da sua rotação: 19 de Julho desse ano. Nesse dia, a Terra demorou menos 1,48 milissegundos a completar uma rotação.

E porque se começaram a usar relógios atómicos nessa avaliação? Tudo começou na década de 50 do século passado. Em 1955 foram inventados esses relógios e, anos depois, definiu-se o segundo com base na frequência da radiação electromagnética emitida por certos átomos. A vantagem é que esse segundo “atómico” era muito próximo do segundo “natural” (com base no dia solar). Actualmente, os segundos atómicos são mesmo responsáveis por determinar a hora atómica internacional – afinal, há uma uma rede de centenas de relógios atómicos pelo mundo.

Fonte: Público, consultado a 14 de agosto de 2022.

Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: A radiação solar.

11. O Sol é uma fonte de energia primária que, através da radiação solar, permite o desenvolvimento de
atividades económicas como a agricultura.
A Figura 5 ilustra alguns dos processos relacionados com a radiação solar e com a radiação terrestre.
Esses processos estão assinalados com as letras W, X, Y e Z.

11.1. Na Figura 5, a reflexão, a absorção, a radiação solar direta e a radiação terrestre correspondem, respetivamente, às letras
(A) X, Z, Y e W.
(B) X, W, Y e Z.
(C) W, Z, X e Y.
(D) Y, W, X e Z.
11.2. Refira duas formas de aproveitamento da radiação solar que contribuam para reduzir os custos da produção agrícola.
No Scribd podem consultar e guardar a ficha e as respectivas soluções.

Notícias: Fim de semana chega com chuva e descida das temperaturas

Uma nova vaga de chuva e a descida das temperaturas compõem o menu do tempo em Portugal continental este fim de semana devido à passagem de uma frente fria. Confira a previsão!
Hoje está a ser um dia marcado pela presença acentuada de nebulosidade em grande parte do território, embora haja períodos de céu limpo, especialmente no interior. Depois de uma quinta-feira particularmente chuvosa, especialmente no norte litoral, uma nova vaga de precipitações está a caminho de Portugal continental, descarregando aguaceiros ainda mais potentes já a partir de amanhã, sábado.
Associada a esta frente fria, perturbação frontal de atividade débil a moderada, existirá um notável arrefecimento da atmosfera que resultará no incremento da humidade e na descida das temperaturas. Esta situação é evidente ao analisarmos as previsões traçadas no modelo ECMWF que projeta aguaceiros nas regiões Norte e Centro, sendo que desta vez, a região Sul não escapa, exceção feita ao distrito de Faro.
No domingo a frente fria já se terá dissipado, embora se desenhem no firmamento períodos de céu muito nublado, especialmente nas áreas do litoral. Neste dia, as temperaturas começam a subir ligeiramente, antecipando-se uma subida dos valores nos termómetros para a próxima semana.
Já com o centro de altas pressões bem afastado do nosso país, ficou uma via aberta para a entrada de perturbações frontais procedentes de Noroeste de Portugal continental. Os aguaceiros serão de fraca intensidade, mas em pleno verão são sempre uma novidade, não só porque amenizam o calor que se tem vindo a sentir como também atenuam a sitação de seca meteorológica. Ao mesmo tempo, as temperaturas vão sofrer uma descida, impossibilitando as habituais idas à praia ao fim de semana, sobretudo na manhã e tarde de sábado. Há que esperar pelo domingo.

Notícia completa: Fim de semana chega com chuva e descida das temperaturas
Fonte: tempo.pt

Notícias: O tempo na segunda quinzena de julho

Será que o verão vai finalmente afirmar-se em Portugal? O que nos reserva a atmosfera… trovoadas, aguaceiros e frescura, ou calor e idas frequentes à praia? Contamos-lhe tudo aqui.
Metade do mês de julho já passou e, depois de vários dias frescos e de tempo ameno em relação ao resto da Europa, que viveu episódios de calor verdadeiramente severos, o nosso país também foi alvo de trovoadas, aguaceiros e quedas de granizo localmente intensas nos últimos dias. De resto, a atmosfera tem proporcionado um ambiente ora nublado e relativamente fresco, ora de céu limpo e tempo abafado. A instabilidade do tempo e a variabilidade dinâmica da atmosfera já tinham sido projetadas em antemão na nossa previsão mensal.
Segundo o modelo ECMWF, hipotetiza-se um cenário de calor persistente com temperaturas acima dos valores de referência na quarta semana do mês. As cartas sinóticas demonstram tendência para incremento do calor nos últimos dias de julho. Este cenário não está definitivamente confirmado, mas seria bastante prejudicial se se confirmasse por várias razões, especialmente no que toca aos grupos populacionais com maior vulnerabilidade.

Notícia completa: O tempo na segunda quinzena de julho
Fonte: Tempo.pt

Notícias: Tempo esta semana: chuva continua e temperaturas sobem

Depois de um fim de semana razoavelmente chuvoso, em especial na região Norte e no litoral Centro, o modelo de previsão ECMWF aponta para a continuidade de um padrão atmosférico de tempo instável caracterizado pela presença de chuva fraca, de carácter irregular até quarta-feira (26), incidindo sobre a região Norte e a região Centro. No Sul continua sem haver desenvolvimento de precipitação significativo.Analisando as atuais cartas sinóticas, é percetível o posicionamento de uma depressão a noroeste de Portugal continental que irá descarregar chuvas débeis até meados da semana. Antecipa-se um cenário pautado por uma densa nebulosidade e precipitação fraca nos territórios enquadrados pelas regiões Norte e Centro.
Nestes próximos dias o padrão de estado de tempo, deveras incomum nesta altura do ano, caracterizar-se-á por um centro de baixa pressão a oeste da Península Ibérica que estimulará a deslocação de massas de ar secas e incrivelmente quentes oriundas do norte de África, rumo à Europa Central, Espanha e Reino Unido, atingindo particularmente a França. Esta onda de calor severa atingirá temperaturas na ordem dos 35 ºC a 45 ºC, com sensação térmica de 50 ºC nalgumas cidades europeias. No nosso país o tempo será condicionado pela presença de ar marítimo mais húmido e fresco, proporcionando dias amenos, pouco ventosos e de temperaturas com valores normalizados.

Notícia completa: Previsão – Tempo esta semana: chuva continua e temperaturas sobem, consultado a 25 de junho de 2019
Fonte: Tempo.pt

Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Radiação Solar

1. Classifique, como verdadeira ou falsa conda uma das seguintes afirmações. Corrija as
afirmações consideradas falsas mantendo-as na afirmativa.
a) Sem o efeito de estufa não seria possível o aquecimento da camada inferior da atmosfera nem a manutenção de uma temperatura média mais ou menos constante.
b) Nas regiões localizadas entre os 40º e os 90º de latitude há um défice energético.
c) As vertentes voltadas a norte, em Portugal, têm maior insolação, pois estão mais tempo expostas à radiação solar d, por isso, designam-se por encostas soalheiras.
d) De um modo geral, as regiões do interior apresentam uma amplitude térmica anual superior à que se verifica nas regiões do litoral.
Soluções: Continuar a ler Preparação para o Exame Nacional de Geografia: Radiação Solar

Notícias – Ciclone Vayu ameaça Índia com ventos superiores a 170 km/h

Ciclone Vayu ameaça Índia com ventos superiores a 170 km/h
Alerta vermelho na Índia! Ciclone Vayu dirige-se perigosamente para o oeste indiano, esperando-se que atinja a região costeira de Gujarat com ventos superiores a 170 km/h. Já foram evacuadas 300 mil pessoas.
Seis milhões de pessoas podem vir a ser afetadas pelo ciclone tropical Vayu que se dirige perigosamente para o oeste da Índia. Cerca de 300 mil pessoas já foram retiradas das suas casas e colocadas em abrigos temporários, segundo fontes oficiais do Governo indiano.O alerta vermelho já foi lançado. Áreas costeiras já foram evacuadas e as autoridades indianas estão a preparar-se para o impacto de um dos ciclones mais fortes das últimas décadas. Começou por ganhar força no Mar da Arábia e agora poderá ultrapassar os 170 km/h e provocar danos severos.

Notícia Completa: Ciclone Vayu ameaça Índia com ventos superiores a 170 km/h
Fonte: Tempo.pt

Notícias – Tempo esta semana: ventania, calor e chuviscos

Esta semana em Portugal será marcada por ventanias frequentes e vindas de norte. As temperaturas sobem ligeiramente, mas antecipa-se o regresso da chuva. Para quando? Confira a previsão!
Para quarta-feira a nebulosidade começa a dissipar-se, o termómetro continuará a registar subida das temperaturas e o vento soprará de moderada a forte intensidade, podendo novamente alcançar rajadas na ordem dos 60/65 km/h do quadrante Norte. Neste dia as temperaturas máximas em Portugal continental serão de 17 ºC no Porto, 20 ºC em Viseu, 25 ºC em Castelo Branco e 21 ºC em Lisboa, 27 ºC em Beja e 25 ºC em Faro. Até meados da semana, o sol será presença constante caracterizando um tempo estável, ameno e sem grandes episódios significativos.
As máximas oscilarão entre os 20 e os 27 ºC em toda a extensão do território do continente. O vento assumir-se-á mesmo como o grande protagonista do tempo esta semana. É possível que neste dia se formem as condições favoráveis à ocorrência de trovoada no interior norte Português, em Vila Real e Viseu.

Artigo completo: Tempo esta semana: ventania, calor e chuviscos
Fonte: Tempo.pt