web analytics

Geografia – Níger provoca chuva com químicos para combater seca

Níger provoca chuva com químicos para combater seca

O Níger decidiu provocar a chuva utilizando produtos químicos face à seca que provocou este ano uma grave crise alimentar neste país árido, informaram os serviços meteorológicos.

A tecnologia da “chuva induzida” envolve a utilização de uma aeronave para espalhar produtos químicos nas nuvens, nomeadamente uma mistura de prata, sódio e acetona.

“Foi necessário agir sobre este problema da seca” para ter “muitos mais dias de chuva e ao mesmo tempo aumentar a quantidade de chuva”, explicou Katiellou Gaptia Lawan, diretor do departamento de meteorologia do Níger, que está a conduzir a operação com o consórcio maliense Ibi Air.

O responsável, citado pela agência France-Presse, salientou que existem “muitos períodos de seca prolongada no Níger que perturbam o desenvolvimento das culturas e das pastagens”.

Segundo Katiellou Gaptia Lawan, estas intervenções devem, portanto, visar áreas de cultivo ou de pastagem. O oeste do país, incluindo a região de Niamey, beneficiou das primeiras intervenções no início de agosto, após várias semanas sem chuva. A operação continuará até ao final de setembro, o fim habitual da época das chuvas no Níger.

O clima neste país caracteriza-se por uma longa estação seca que dura de oito a 10 meses e uma curta estação chuvosa de três a quatro meses, entre junho e setembro. O número de dias de chuva varia de norte para sul, com precipitações anuais que se situam entre menos de 100 milímetros, principalmente no norte, e 700-800 mm. No entanto, as inundações afetaram recentemente o deserto do norte, em consequência das alterações climáticas, segundo as autoridades nigerinas.

Além da seca em várias regiões, outras são afetadas por graves inundações que mataram 53 pessoas, prejudicaram 87.942 e feriram 74, de acordo com os últimos números oficiais. Devido à seca e à violência jihadista que tem impedido os agricultores de cultivar os seus campos, o Níger enfrenta este ano uma grave crise alimentar. De acordo com o Governo, mais de 4,4 milhões de pessoas estão em “grave” carência, o que corresponde a 20% da população.

A taxa de desnutrição aguda entre as crianças pode chegar a 12,5%, excedendo o limiar de emergência de 10% estabelecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Cerca de 80% dos nigerinos vivem da agricultura em pequena escala, que depende fortemente das chuvas, e o país tem mais de 52 milhões de cabeças de gado, de acordo com o Ministério da Agricultura e Pecuária.

Fonte: Sic Notícias, consultado a 23 de dezembro de 2022.

Geografia – Mapa de Praias

Sistemana Nacional de Informação de Ambiente (SNIAMB) – Mapa de Praias

No site do SNIAMB podemos consultar o nível de limpeza e qualidade das águas costeiras, o número de águas balneares, número de bandeiras azuis e outras informações relevantes sobre as nossas praias.

Link: Mapa de Praias, consultado a 14 de agosto de 2022.
Fonte: Sniamb, consultado a 14 de agosto de 2022.

Geografia: Mapa interativo: Portugal tem 75 praias com risco de derrocada

Mapa interativo. Portugal tem 75 praias com risco de derrocada
A Agência Portuguesa do Ambiente divulgou uma lista de 75 praias com arribas perigosas, todas situadas no sul do país.

Com as temperaturas elevadas do verão, um dos destinos preferidos dos portugueses são as praias. A beleza natural da costa portuguesa é muito concorrida como local de eleição de muitos para as suas férias, mas também esconde alguns perigos.
A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) dá conta de 75 praias portuguesas, todas na região do Algarve, onde os veraneantes devem ter especial cuidado com o risco de derrocada de arribas.
Em Albufeira encontram-se 24 praias com zonas de perigo de desmoronamento, tornando este no concelho com mais faixas de risco em Portugal continental.
Em Lagoa, são 17 as praias sinalizadas, enquanto Vila do Bispo tem 11 praias com arribas instáveis e Portimão nove. Em Aljezur estão sinalizadas sete praias em perigo e em Lagos existem cinco praias em risco.
No concelho de Silves, a APA alerta para o perigo nos dois sentidos, Poente e Nascente, na Praia de Armação de Pêra.


Legenda: As 75 arribas de risco no Algarve.

De acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente, os desmoronamentos ocorrem de forma instantânea, “dependendo de inúmeros fatores, como a intensidade e frequência da ação de agentes climáticos, a fraturação e o tipo de rocha em que a arriba é talhada, a ocupação humana, a presença de vegetação, a vibração, a sismicidade, entre outros”.
As faixas de risco correspondem “à área passível de ser ocupada pelos resíduos de desmoronamentos”, com uma largura igual a 1,5 vezes a altura da própria arriba.
Desta forma, em conjunto com outras entidades, a APA assinalou, com placas de risco, as praias portuguesas cujas arribas estão em perigo de desmoronamento, de modo a evitar cenários indesejáveis. Para garantir o respeito pela sinalética de perigo, a permanência ou circulação em zonas interditas pode levar ao pagamento de coimas, com valores entre os 30 e os 100 euros.

Mapa interativo: 75 arribas de risco no Algarve, consultado a 14 de agosto de 2022.
Informação e folhetos informativos: Agência Portuguesa do Ambiente (APA), consultado a 14 de agosto de 2022.
Exemplo de folheto informativo: Praia do Alvor – Nascente, consultado a 14 de agosto de 2022.

Fonte: Rádio Renascença, consultado a 14 de agosto de 2022.

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Inundação, Vale do Rio Mondego, nível médio das águas do mar, alterações climáticas, planeamento e ordenamento do território, superfícies frontais

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 5
5. A Figura 5 representa a área suscetível de inundação atual no vale do rio Mondego e a projetada para 2050, tendo em conta o efeito da subida do nível médio das águas do mar, decorrente das alterações climáticas.

5.1. Um impacte da subida do nível médio das águas do mar na área de inundação projetada para 2050, identificada na Figura 5, é
(A) o aumento do assoreamento do leito do rio.
(B) a redução das espécies piscícolas marinhas.
(C) o avanço acentuado da linha de costa.
(D) a diminuição da salinidade das águas fluviais.
5.2. De acordo com a Figura 5, prevê-se que, em 2050, a área de inundação no vale do rio Mondego alcance, aproximadamente, ____________ a ____________ do limite de inundação atual.
(A) 40 km … montante
(B) 40 km … jusante
(C) 20 km … montante
(D) 20 km … jusante
5.3. Selecione as duas medidas que, no âmbito do planeamento e ordenamento do território, permitem a adaptação à subida do nível médio das águas do mar prevista para as margens do rio Mondego.
I.  A construção de diques a montante da área inundada em 2050.
II. A relocalização de habitações das áreas de risco de inundação.
III. A colocação de areias nas praias durante o verão.
IV. A plantação de espécies vegetais adaptadas às águas salobras.
V. A desobstrução das linhas de água dos afluentes do rio Mondego.
5.4. Explique, apresentando dois aspetos, como a passagem sucessiva de superfícies frontais pode provocar cheias no curso inferior dos rios.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Precipitação, Temperatura, Humidade Relativa, Humidade Absoluta, Evapotranspiração, Insolação, Barragem, Cursos de Água, Bacias Hidrográficas, Região Hidrográfica das Ribeiras do Algarve, Campos de Golfe do Algarve

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Versão 1
Questão 1
1. As Figuras 1A e 1B representam algumas variáveis climáticas para a região do Algarve.

1.1. Na região do Algarve, o regime da precipitação, observado na Figura 1A, pode possibilitar
(A) a salinização dos aquíferos na faixa litoral.
(B) a manutenção dos caudais dos rios ao longo do ano.
(C) a redução dos níveis de água nas lagunas litorais.
(D) a eutrofização dos cursos de água em anos húmidos.
1.2. Os valores da insolação representados na Figura 1B correspondem à média mensal
(A) da quantidade de energia solar recebida por unidade de superfície.
(B) do número médio de horas com radiação solar difusa.
(C) do número médio de horas com radiação solar direta.
(D) da quantidade de energia solar recebida por unidade de tempo.
1.3. Identifique as duas afirmações verdadeiras, com base na interpretação das Figuras 1A e 1B.
I. A temperatura média mensal varia de forma inversa à da insolação média mensal.
II. Os valores mais elevados de humidade relativa média ocorrem nos meses em que os valores das temperaturas médias são mais elevados.
III. À medida que o valor da evapotranspiração aumenta, o valor da humidade relativa diminui.
IV. A diferença do total anual de precipitação entre o ano mais chuvoso e o ano mais seco é 757 mm.
V. No mês de junho, a quantidade de água perdida efetivamente para a atmosfera foi 7 mm.
1.4. A gestão da água na região do Algarve pressupõe um planeamento sustentável, considerando a relação que existe entre a disponibilidade e a necessidade.
Refira uma vantagem e uma desvantagem associadas à construção de uma nova barragem na região do Algarve, justificando a sua resposta.
1.5. A Figura 1C representa a distribuição de cursos de água e de campos de golfe na Região Hidrográfica
das Ribeiras do Algarve, em 2016.

1.5.1. Duas das bacias hidrográficas que são contíguas à Região Hidrográfica das Ribeiras do
Algarve são
(A) Sado e Guadiana.
(B) Mira e Guadiana.
(C) Sado e Tejo.
(D) Mira e Tejo.
1.5.2. A distribuição de campos de golfe na Região Hidrográfica das Ribeiras do Algarve, observada na Figura 1C, caracteriza-se por uma
(A) assimetria intrarregional, evidenciando o padrão de distribuição do turismo rural.
(B) forte concentração linear, acompanhando o traçado da rede hidrográfica na região.
(C) acentuada litoralização, configurando um padrão semelhante ao da rede urbana.
(D) dispersão geográfica, coincidindo com a localização das sedes de município.
1.6. Na região do Algarve, o golfe constitui uma atividade desportiva com potencialidades de desenvolvimento regional. A tendência para a implementar, como função complementar ao turismo balnear, não é consensual, devido aos impactes ambientais.
Posicione-se a favor ou contra a implementação desta atividade. Fundamente a sua posição com a apresentação de dois argumentos, tendo em conta a importância da sustentabilidade da região.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 13 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial – Precipitação, Recursos Hídricos, Rios

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial
Questões 6-7
6. Em Portugal continental, a disponibilidade hídrica reflete, entre outros fatores, a irregularidade da precipitação.
A Figura 3 evidencia contrastes na variabilidade da precipitação no território continental.

6.1. De acordo com a análise da Figura 3, na cidade da Guarda, o número médio anual de dias com precipitação igual ou superior a 30 mm varia
(A) entre 0 e 1 dia.
(B) entre 1 e 3 dias.
(C) entre 3 e 5 dias.
(D) entre 5 e 10 dias.
6.2. No norte de Portugal continental, o contraste registado entre o litoral e o interior no que se refere ao número médio anual de dias com precipitação igual ou superior a 30 mm, observado na Figura 3, explica-se por fatores como
(A) a altitude e a existência de relevo discordante com a linha de costa.
(B) a latitude e a existência de relevo concordante com a linha de costa.
(C) a corrente quente do Golfo e a existência de relevo discordante com a linha de costa.
(D) a proximidade do mar e a existência de relevo concordante com a linha de costa.
6.3. O maior número médio anual de dias com precipitação igual ou superior a 30 mm, observado na Figura 3, explica-se, entre outras razões, pela
(A) passagem mais frequente de superfícies frontais a norte do rio Tejo.
(B) influência permanente do anticiclone de origem dinâmica sobre todo o território nacional.
(C) passagem mais frequente das depressões subpolares a sul do rio Tejo.
(D) influência permanente dos anticiclones de origem térmica sobre o arquipélago dos Açores.
7. Identifique os dois rios, representados na Figura 3, cujas nascentes se localizam na Serra da Estrela.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – Cartas Sinóticas, Clima e Estado do Tempo

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 5
Na Figura 3A, está representado o percurso previsto do furacão Lorenzo, desde o dia 28 de setembro (sábado) até ao dia 3 de outubro
(quinta-feira) de 2019.
Na Figura 3B, está representada a carta sinótica de superfície do dia 1 de outubro de 2019.

5.1. Na Figura 3A, a trajetória prevista do furacão Lorenzo sobre o oceano Atlântico segue a direção
(A) SE-NO, afetando o grupo ocidental do arquipélago dos Açores.
(B) SE-NO, afetando o grupo oriental do arquipélago dos Açores.
(C) SO-NE, afetando o grupo oriental do arquipélago dos Açores.
(D) SO-NE, afetando o grupo ocidental do arquipélago dos Açores.
5.2. Um furacão, como o representado nas Figuras 3A e 3B, corresponde a
(A) uma frente quente muito ativa.
(B) uma frente fria muito ativa.
(C) um centro de altas pressões com elevado gradiente barométrico.
(D) um centro de baixas pressões com elevado gradiente barométrico.
5.3. Considere as seguintes afirmações.
I. A pressão atmosférica no litoral sul do Reino Unido era mais elevada do que no sul de França.
II. No dia 1 de outubro, ocorreram chuva e vento forte em Portugal continental.
III. O furacão Lorenzo deslocou-se na direção dos Ventos de Oeste, que sopram nas latitudes médias.
IV. O percurso do furacão Lorenzo em direção à Europa é resultado do efeito da força de Coriolis, consequência do movimento de translação da Terra.
V. O furacão Lorenzo deverá aproximar-se da Irlanda na quinta-feira, sob a forma de tempestade tropical.
Identifique as duas afirmações que são verdadeiras, recorrendo à análise das Figuras 3A e 3B e
ao conhecimento sobre a circulação geral da atmosfera.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.

Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: Os recursos hídricos.

4. Na Figura 3, está representada a rede hidrográfica de Portugal continental, cujas características estão
relacionadas, entre outros fatores, com a natureza das rochas, com os acidentes tectónicos, com as
condições atmosféricas e com a intervenção humana. Também estão representadas as albufeiras do
Sabugal e de Meimoa, cujas cotas do nível base se encontram, respetivamente, a cerca de 760 metros e
a cerca de 560 metros.

4.1. De acordo com a Figura 3, os dois rios que apresentam os troços mais extensos com suscetibilidade
elevada a cheias e a inundações são
(A) o Tejo e o Mondego.
(B) o Tejo e o Sado.
(C) o Mondego e o Vouga.
(D) o Sado e o Vouga.
4.2. A suscetibilidade elevada a cheias e a inundações, representada na Figura 3, deve-se, principalmente,
(A) ao predomínio de relevo de vales largos e pouco encaixados.
(B) à ação da vegetação na retenção do escoamento superficial.
(C) ao perfil transversal do rio em forma de «V» fechado.
(D) à existência de rochas e solos permeáveis no leito do rio.
4.3. Considere as afirmações I, II e III, que se referem aos objetivos da construção de um transvase, como
o identificado na Figura 3, entre o rio Coa e a ribeira de Meimoa.
Selecione a opção que identifica corretamente as afirmações verdadeiras e as falsas.
I. O transvase contribui para atenuar o défice hídrico na albufeira de Meimoa, que abastece o
projeto agrícola da Cova da Beira.
II. O transvase contribui para aumentar a disponibilidade hídrica na bacia do rio Tejo.
III. O transvase contribui para aumentar o caudal do rio Coa.
(A) II é verdadeira; I e III são falsas.
(B) I e II são verdadeiras; III é falsa.
(C) I e III são verdadeiras; II é falsa.
(D) III é verdadeira; I e II são falsas.
5. Um dos objetivos da construção de barragens com albufeira de retenção é minimizar os efeitos da
irregularidade da precipitação.
Refira duas funções das barragens que permitem concretizar esse objetivo.
No Scribd podem consultar e guardar a ficha e as respectivas soluções.

Geografia – Exercícios de Preparação para o Exame Nacional: Precipitação

Grupo I
Os mapas representam a altitude e a distribuição da precipitação em Portugal continental.

1. O fator climático mais influente na distribuição da precipitação, subjacente na imagem anterior, é a
(A) latitude.
(B) altitude.
(C) disposição do relevo.
(D) proximidade/afastamento do oceano.
2. A natureza do relevo observado é
(A) convectivo.
(B) discordante.
(C) orográfico.
(D) concordante.
3. Uma das serras que atravessa o território continental, segundo o corte AB é a
(A) Serra da Estrela.
(B) Serra do Gerês.
(C) Serra do Marão.
(D) Serra do Montesinho.
4. Os baixos valores de precipitação verificados em Trás-os-Montes são condicionados
(A) apenas pela barreira de condensação.
(B) pela influência da latitude, devido à perturbação da frente polar que afeta o interior.
(C) pela barreira de condensação e pela influência dos ventos secos de leste.
(D) pela influência da altitude e devido à influência das altas pressões subtropicais.
[…]
Aqui estão quatro questões de preparação para o exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (catorze no total) e as respectivas soluções.

Geografia – Exercícios de Preparação para o Exame Nacional: Cartas Sinópticas

GRUPO I
A figura representa a carta meteorológica do dia 15 de fevereiro de 2014.

1. Na imagem é possível distinguir uma depressão situada a
(A) norte de Portugal Continental, que permitirá a ocorrência de céu limpo em todo o território.
(B) norte de Portugal Continental, que trará a todo o país céu muito nublado e chuva.
(C) noroeste de Portugal, que condicionará muito o estado do tempo no sul do país.
(D) oeste de Portugal, que não afetará o estado do tempo no território continental.
2. O anticiclone dos Açores encontra-se
(A) sobre o Atlântico, estendendo a sua influência até ao noroeste da Europa.
(B) bastante deslocado para norte, permitindo céu limpo e bom tempo em Portugal.
(C) sobre o Atlântico, condicionado pelo sistema depressionário que afeta o noroeste europeu.
(D) muito deslocado para sul, exercendo grande influência sobre o sul do território continental.
3. O sistema frontal resultante do encontro das massas de ar polar e tropical, no hemisfério norte
(A) no inverno, desloca-se para norte, influenciando menos a Europa e o nosso país.
(B) no verão, desloca-se para sul, influenciando mais a Europa e o nosso país.
(C) no inverno, desloca-se para sul, influenciando mais a Europa e o nosso país.
(D) mantém-se sempre à mesma latitude e exerce a mesma influência durante todo o ano.
[…]
Grupo II
A figura que se segue representa a carta sinóptica de superfície de parte da Atlântico e da Europa, no dia 16 de fevereiro de 2009.

1. Apresente duas das razões explicativas da fraca nebulosidade originada pelo centro barométrico que, no dia 16 de fevereiro de 2009, influenciava o estado do tempo em Portugal continental.
2. Mencione duas das características do estado de tempo geralmente associado à passagem de uma frente fria, como a que, no dia 16 de fevereiro de 2009, influenciava o estado de tempo no arquipélago dos Açores.
[…]´
Aqui estão cinco questões de preparação para o exame, no Scribd podem consultar e guardar a ficha completa com todas as questões (nove no total) e as respectivas soluções