web analytics

Geografia – População: Que futuro tem a raia despovoada?

FIm de Linha – Peças Jornalisticas
Que futuro tem a raia despovoada?
Uma abordagem interessante, sobre o despovoamento e as suas consequências, para as aulas do 10.º ano.

Fonte: Público, consultado a 18 de abril de 2022.

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – União Europeia, cidades sustentáveis

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 8
8. A União Europeia está a promover várias iniciativas para tornar as cidades mais sustentáveis e eficientes.
Uma cidade, para melhorar o seu nível de eficiência e sustentabilidade, pode apostar em estratégias como:
A – o reforço da mobilidade urbana sustentável;
B – a redução da produção de resíduos urbanos.
Selecione uma das estratégias, A ou B. De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas medidas, explicando de que modo contribuem para melhorar a eficiência e a sustentabilidade das cidades.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – AMP, eixos rodoviários, aglomerados urbanos, a rede urbana da região Norte do país, aeroporto Francisco Sá Carneiro, Rede Transeuropeia de Transportes, túnel do Marão

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 6
6. Na Figura 6, estão representados os principais eixos rodoviários estruturantes e alguns aglomerados urbanos que fazem parte da rede urbana da região Norte do país.

6.1. O sistema urbano da região Norte, observado na Figura 6, caracteriza-se por uma hierarquia cujos níveis mais elevados são
(A) uma aglomeração metropolitana e um número restrito de cidades de equilíbrio regional.
(B) uma aglomeração metropolitana e um número elevado de centros estruturantes municipais.
(C) um elevado número de cidades de equilíbrio regional e de centros estruturantes sub-regionais.
(D) um elevado número de cidades regionais e de centros estruturantes municipais.
6.2. Na região Norte, o contraste entre o litoral e o interior na distribuição dos centros urbanos, observado na Figura 6, explica-se, entre outros fatores,
(A) pelo processo de expansão das cidades no litoral e pela elevada dispersão da população no interior.
(B) pela maior concentração de atividades económicas no litoral e pela perda de população no interior.
(C) pelo elevado fluxo de movimentos pendulares no litoral e pelo menor número de cidades no interior.
(D) pela proximidade de portos e aeroportos no litoral e pelo êxodo populacional para as cidades do interior.
6.3. O aumento da área de influência das cidades localizadas na NUTS III Terras de Trás-os-Montes depende de estratégias como
(A) a criação de fileiras de produtos exógenos, que promovam a internacionalização da região.
(B) a abertura de centros de saúde e medicina familiar, que respondam às necessidades da população.
(C) a aposta no comércio de proximidade, que permita gerar emprego diversificado.
(D) a fixação de centros de investigação, que potenciem a criação de empresas inovadoras.
6.4. Identifique as duas afirmações verdadeiras, que podem ser comprovadas através da análise da Figura 6.
I.  O viaduto sobre o rio Marão é o menos extenso e o mais alto da região Norte.
II. A via A4 é o principal eixo transversal da região Norte, contribuindo para atenuar as assimetrias regionais.
III. A construção do túnel do Marão permitiu atenuar a distância-tempo entre Vila Real e Bragança.
IV. A rede viária estruturante liga todas as capitais de distrito da região Norte.
V. A via correspondente ao túnel do Marão está construída à mesma cota de altitude em toda a sua extensão.
6.5. O aeroporto Francisco Sá Carneiro, assinalado na Figura 6, constitui
(A) um interface, por possibilitar o transbordo de passageiros do modo aéreo para os modos rodoviário e ferroviário.
(B) uma plataforma multimodal, por ser uma área exclusiva dos operadores aéreos de transporte de mercadorias.
(C) uma placa giratória, por ser um espaço de informação ao passageiro articulado com os terminais de cruzeiros.
(D) um nó, por estar diretamente ligado aos terminais de transporte rodoviário e fluvial de passageiros para a cidade do Porto.
6.6. A integração do eixo longitudinal A3, representado na Figura 6, na Rede Transeuropeia de Transportes permite
(A) reduzir o transporte de mercadorias e de passageiros por modo rodoviário.
(B) ser uma alternativa no transporte de passageiros para a Europa Central, a partir do aeroporto Francisco Sá Carneiro.
(C) aumentar o hinterland do porto marítimo de Leixões, no transporte de mercadorias destinadas ao mercado europeu.
(D) incrementar a interação entre as cidades do interior da região Norte.
6.7. Explique a importância da construção do túnel do Marão, referindo dois efeitos no aumento da segurança rodoviária.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – População, Crescimento Demográfico, Crescimento Efetivo, Saldo Migratório, Taxa de Natalidade, Taxa de Mortalidade, Emigração, Imigração

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 1
1. As flutuações da população residente nos últimos anos resultam do comportamento das variáveis demográficas e das políticas económicas e sociais.
A Figura 1A representa o crescimento demográfico, em Portugal, por NUTS II, em 2019, e a Figura 1B representa o saldo migratório, em Portugal, no período de 2009 a 2019.

1.1. Identifique as duas afirmações verdadeiras, recorrendo à análise das Figuras 1A e 1B.
I.  Na A. M. Lisboa, o crescimento demográfico refletiu o elevado número de imigrantes, relativamente
ao número de emigrantes, e um número de nascimentos superior ao número de óbitos.
II. Em 2019, o valor do crescimento efetivo registado na R. A. Açores corresponde à diferença entre o saldo natural e o saldo migratório.
III. Em 2019, as NUTS II Alentejo e Algarve foram as que menos contribuíram para o crescimento demográfico do país.
IV. O valor do saldo migratório diminuiu entre 2009 e 2012, porque a emigração permanente foi sempre superior à imigração permanente.
V. Os anos que registaram um saldo migratório mais baixo foram 2015 e 2016.
1.2. A região da NUTS II que registou uma mortalidade inferior à natalidade, de acordo com a Figura 1A, foi
(A) R. A. Madeira.
(B) Centro.
(C) Algarve.
(D) A. M. Lisboa.
1.3. O crescimento demográfico por NUTS II, observado na Figura 1A, reflete-se no território nacional, por
(A) acentuar a polarização demográfica.
(B) atenuar a metropolização.
(C) acentuar a dispersão demográfica.
(D) atenuar a litoralização.
1.4. De acordo com a Figura 1B, os valores do saldo migratório registados entre 2011 e 2016 permitem inferir que ocorreu
(A) um decréscimo do índice de dependência total.
(B) um crescimento efetivo negativo da população.
(C) uma subida significativa do êxodo rural.
(D) uma diminuição da população ativa nacional.
1.5. As migrações influenciam diretamente o dinamismo empresarial de Portugal.
Considere os seguintes cenários:
A – aumento da imigração com reduzida qualificação e aumento da emigração qualificada;
B – aumento da imigração qualificada e redução da emigração qualificada.
Selecione um dos cenários, A ou B. Apresente duas consequências que o cenário escolhido terá no dinamismo empresarial do país, justificando a sua resposta.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Fixação da População, Envelhecimento Demográfico

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Versão 1
Questão 8
6. A existência do Instituto Politécnico da Guarda, identificado na Figura 4, pode constituir um importante agente de desenvolvimento.
Justifique, referindo dois aspetos, como a fixação de unidades de ensino superior contribui para o desenvolvimento dos territórios onde se inserem.
7. O envelhecimento demográfico do interior do país pode ser contrariado através de medidas como
(A) a redução do custo de portagens aplicadas aos veículos de transporte coletivo de passageiros.
(B) a aposta nos serviços de apoio geriátrico, para melhorar a qualidade de vida dos idosos.
(C) a atribuição de subsídios a empresas que assegurem o emprego qualificado de longa duração.
(D) a criação de postos de trabalho sazonal, que atraiam a população jovem ativa emigrante.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Áreas de Reabilitação Urbana (ARU), Requalificação, Renovação, Reabilitação, Malha Urbana, Plantas Urbanas

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Versão 1
Questão 5
5. O município da Guarda estabeleceu as Áreas de Reabilitação Urbana (ARU), com uma área total de 252,36 ha. A intervenção urbana abrange a requalificação de arruamentos, iluminação pública, infraestruturas subterrâneas, habitação, zonas verdes e edifícios públicos.
Na Figura 4, está representada a proposta de delimitação da ARU, na cidade da Guarda e área envolvente, no período de 2015-2025.

5.1. O Hospital Sousa Martins localiza-se, de acordo com a Figura 4,
(A) no limite da ARU, na proximidade de bons acessos rodoviários.
(B) no limite do centro histórico, com elevada densidade de construção.
(C) na cintura externa à ARU, com vastos espaços verdes.
(D) na cintura interna da ARU, na proximidade de edifícios históricos.
5.2. De acordo com a Figura 4, a morfologia urbana representada na área assinalada pela letra A apresenta características de
(A) apenas um tipo de malha urbana: ortogonal.
(B) dois tipos de malha urbana: irregular e ortogonal.
(C) apenas um tipo de malha urbana: semirradioconcêntrica.
(D) dois tipos de malha urbana: irregular e semirradioconcêntrica.
5.3. As intervenções urbanas definidas na ARU visam, entre outros objetivos,
(A) qualificar o espaço público, aumentando a área de estacionamento.
(B) criar novos acessos rodoviários, fomentando os movimentos pendulares.
(C) valorizar o património histórico, atraindo o turismo de massas.
(D) melhorar as condições de habitabilidade, fixando a população residente.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial – População, Densidade Populacional

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial
Questão 10
10. Portugal é um país muito diverso. O povoamento do território é uma dessas marcas. Os últimos anos mantiveram a tendência de despovoamento do país rural a favor das áreas urbanas e do litoral.
Fonte: Os portugueses em 2030, 2013, Lisboa, Fundação Francisco Manuel dos Santos, p. 149.
A Figura 5 representa a variação da densidade populacional, por município, na região Norte, entre 2011 e 2016.
10.1. De acordo com a Figura 5, os municípios da AMP que perderam mais de 10 hab./km2 foram, entre outros,
(A) Maia, Valongo e Vila do Conde.
(B) Póvoa de Varzim, Matosinhos e Vila Nova de Gaia.
(C) Maia, Póvoa de Varzim e Matosinhos.
(D) Valongo, Vila do Conde e Vila Nova de Gaia.
10.2. O número de municípios da região Norte, observados na Figura 5, que registaram um aumento da densidade populacional foi
(A) 3.
(B) 14.
(C) 30.
(D) 39.
10.3. Explique duas medidas socioeconómicas que contribuem para inverter a variação da densidade populacional, observada na Figura 5, na maioria dos municípios de Trás-os-Montes.
10.4. O valor da variação da densidade populacional do município do Porto, entre 2011 e 2016, explica-se, entre outras razões,
(A) pela aposta no desenvolvimento do transporte rodoviário particular.
(B) pelo aumento da renda locativa na área urbana.
(C) pela aposta da autarquia na organização de eventos com projeção local.
(D) pelo processo de turistificação nas áreas suburbanas.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial – Cidades, Funções Urbanas, Sistema Urbano Alentejano, Rede Urbana Policêntrica, Comunidades Intermunicipais (CIM)

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial
Questões 8-9
8. A capacidade de uma cidade maximizar e rentabilizar as suas funções urbanas, de gerar emprego e atrair população, atribui-lhe uma determinada importância em relação às outras e, por isso, um lugar na hierarquia urbana de acordo com o nível das funções que fornece.
Fonte: Ramos, A., Redes Urbanas Policêntricas: Operacionalização no Subsistema Sines – Santiago do Cacém – Vila Nova de Santo André,
Dissertação de Mestrado em Gestão do Território, FCSH-UNL, junho de 2014, p. 11 (consultado em fevereiro de 2019). (Adaptado)

A Figura 4 representa o sistema urbano da região do Alentejo.

8.1. Três dos centros urbanos regionais com mais população inseridos em eixos urbanos observados na Figura 4 são
(A) Évora, Elvas e Sines.
(B) Évora, Beja e Portalegre.
(C) Beja, Sines e Estremoz.
(D) Beja, Portalegre e Vila Viçosa.
8.2. Na Figura 4, observa-se uma rede urbana policêntrica, na região do Alentejo, que se caracteriza pela
(A) litoralização de centros urbanos, contrastando com os do interior.
(B) polarização em torno da cidade de Évora, evidenciando assimetrias.
(C) macrocefalia entre o centro urbano de nível hierárquico superior e os restantes.
(D) existência de centros urbanos de dimensões diferentes, mas com influência regional.
8.3. A posição hierárquica da cidade de Sines na rede urbana do Alentejo explica-se pela existência de um porto estratégico, que funciona como
(A) uma plataforma multimodal de acesso de navios de cruzeiros e de desportos náuticos.
(B) uma porta atlântica no acesso de matérias-primas e de recursos energéticos para a indústria.
(C) um cluster integrador do porto e das indústrias ligadas aos recursos dos oceanos.
(D) um hub distribuidor de tráfego ferroviário de passageiros e de energia através de oleodutos.
8.4. À escala regional, o aumento da área de influência de cidades como a assinalada na Figura 4 pela letra X explica-se, entre outras razões, pela
(A) aposta na rede de transportes públicos urbanos.
(B) oferta de funções de nível hierárquico superior.
(C) diversidade de oferta de bens banais.
(D) reorganização administrativa das freguesias.
9. A criação de Comunidades Intermunicipais (CIM) visa a rentabilização de infraestruturas e de equipamentos de apoio à população.
Duas estratégias para melhorar o funcionamento dos serviços das Comunidades Intermunicipais são:
A – o estabelecimento de parcerias no âmbito do saneamento básico;
B – a cooperação no âmbito da saúde.
Selecione uma das estratégias, A ou B. De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas vantagens, explicando de que modo contribuem para melhorar o funcionamento dos serviços das Comunidades Intermunicipais.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – Vila Real de Santo António (V.R.S.A.), Algarve, Malha Urbana, Plantas Urbanas, Expansão Urbana, Investigação e Desenvolvimento (I&D), Efeitos das Alterações Climáticas

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – Versão 1
Questões 10-11
10. A cidade de Vila Real de Santo António (V.R.S.A.), ilustrada na Figura 8, localiza-se no Algarve.

10.1. A malha urbana ilustrada na Figura 8 é
(A) irregular, porque as ruas estão dispostas com um traçado labiríntico, terminando em largos e praças.
(B) radioconcêntrica, porque predominam rotundas que redistribuem o trânsito e das quais irradiam ruas com larguras distintas.
(C) ortogonal, porque predomina um traçado em que as ruas são paralelas e perpendiculares entre si.
(D) radial hierarquizada, porque as ruas estão dispostas de forma circular, havendo ruas mais largas do que outras.
10.2. De acordo com a Figura 8, a expansão urbana de V.R.S.A. está condicionada a sul
(A) pela serra do Caldeirão.
(B) por uma zona húmida fluvial.
(C) pelo rio Guadiana.
(D) por uma área protegida.
11. As cidades são um dos maiores desafios do século XXI. Em Portugal, a maioria destes aglomerados terão uma procura crescente, o que poderá levantar problemas a vários níveis: social, ambiental, económico e de governança. É, pois, necessário que as cidades criem a sua identidade e, ao mesmo tempo, se tornem sustentáveis, devendo, para tal, recorrer à Investigação e Desenvolvimento (I&D), de modo a gerir com eficiência recursos como a energia, a água ou mesmo os resíduos que produzem.
Fonte: www.bcsdportugal.org (consultado em outubro 2019). (Texto adaptado)
11.1. Em Portugal, a construção de edifícios em espaço urbano deve contemplar técnicas que atenuem
os efeitos das alterações climáticas, como
(A) a integração de sistemas de tratamento de efluentes domésticos.
(B) a instalação de painéis fotovoltaicos orientados a norte.
(C) a utilização de materiais de construção bons condutores de calor.
(D) a aplicação de vidro simples nas fachadas dos prédios urbanos.
11.2. «Na cidade, a I&D é fundamental para transformar os resíduos em subprodutos que possam ser reutilizados». Nesta afirmação, está diretamente subjacente o conceito de
(A) capacidade de carga humana, em que se verifica uma elevada produção de resíduos por km2.
(B) mitigação carbónica, em que se pretende uma maior utilização de hidrocarbonetos.
(C) economia circular, em que se pretende uma gestão que aposta no aproveitamento de resíduos.
(D) pegada ecológica, em que se verifica uma maior transformação de resíduos per capita.
11.3. A criação de espaços verdes na cidade tem impactes positivos na qualidade de vida dos seus
habitantes.
Refira, justificando, dois desses impactes.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – União Europeia, Taxa de Crescimento Efetivo e Fecundidade

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – Versão 1
Questões 1-2
1. Na União Europeia (UE), o ritmo de crescimento da população, nos últimos anos, constitui uma ameaça à
coesão e à competitividade das diferentes regiões europeias.
A Figura 1 representa a taxa de crescimento efetivo (‰), por NUTS III, nos Estados-membros da UE, em
2017.

1.1. De acordo com a Figura 1, dois dos Estados-membros da UE em que a maioria das suas NUTS III apresentam uma taxa de crescimento efetivo superior à média da UE são
(A) a Polónia e o Reino Unido.
(B) a Finlândia e a República Checa.
(C) a Irlanda e a Suécia.
(D) a Dinamarca e Portugal.
1.2. O valor da taxa de crescimento efetivo registado nas NUTS III da Península Ibérica, em 2017, observável na Figura 1, permite-nos afirmar que,
(A) na maioria das unidades territoriais de Portugal continental, a taxa de mortalidade foi superior à taxa de natalidade.
(B) nas unidades territoriais do litoral do sudeste de Espanha, o somatório da taxa de crescimento natural e da taxa de crescimento migratório foi positivo.
(C) nas unidades territoriais do litoral de Portugal continental, a taxa de crescimento natural e a taxa de crescimento migratório foram ambas negativas.
(D) na maioria das unidades territoriais do sudeste de Espanha, a taxa de natalidade foi superior à taxa de mortalidade.
1.3. A taxa de crescimento efetivo superior a 6‰ nas NUTS III dos Estados-membros da UE, observada na Figura 1, tem impactes noutros indicadores demográficos, porque ocorre um
(A) decréscimo da esperança de vida aos 65 anos, se aumentar a população idosa.
(B) aumento do índice de dependência de jovens, se o efetivo de população adulta se mantiver.
(C) decréscimo do índice sintético de fecundidade, se a população for predominantemente feminina.
(D) aumento do rejuvenescimento, se a população jovem for predominantemente emigrante.
2. A redução da fecundidade em Portugal constitui um problema sociodemográfico, na medida em que compromete, a médio e a longo prazo, o desenvolvimento do país.
Duas estratégias que podem ser implementadas de modo a aumentar a fecundidade em Portugal são:
A – criar incentivos para a redução da idade média da mulher ao nascimento do primeiro filho;
B – atribuir apoios às famílias com dois ou mais filhos.
Selecione uma das estratégias, A ou B. De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas medidas, explicando de que modo contribuem para aumentar a fecundidade em Portugal.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.