web analytics

Geografia – Agricultura: Qual a dimensão média das explorações agrícolas em Portugal?

Agricultura: Qual a dimensão média das explorações agrícolas em Portugal?

Latifúndios e minifúndios, área média (ha) das explorações agrícolas por concelho em 2019.

Infografia

Fonte: Pordata, consultado a 14 de agosto 2022.

Geografia – Agricultura: O que mudou na superfície agrícola em Portugal?

Agricultura: O que mudou na superfície agrícola em Portugal?

Dados comparativos, 1989 e 2019, da evolução da superfície agrícola em Portugal.
Foram comparados o número de hectares, terras aráveis, culturas permanentes, pastagens pernamentes e hortas familiares.

Infografia:

Fonte: Pordata, consultado a 14 de agosto de 2022.

Geografia 11.º Ano – Floresta: Principais árvores em Portugal Continental

Principais árvores em Portugal Continental, milhares de hectares, 2015.

Fonte: Pordata, consultado a 11 de maio de 2022

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Agricultura, Olival, Montado, Hidroponia

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 4
4. O Alentejo, ao longo dos últimos anos, tem registado modificações na atividade agrícola: a barragem de Alqueva e as estufas permitiram mudanças na prática agrícola, que, conjuntamente com o montado, diversificam a paisagem agrária.
Na Figura 4, observam-se três fotografias de paisagens agrárias do Alentejo.

4.1. A plantação de olival, de que é exemplo a paisagem da Fotografia A, da Figura 4, é praticada em sistema de monocultura
(A) extensivo e de regadio.
(B) intensivo e de sequeiro.
(C) extensivo e de sequeiro.
(D) intensivo e de regadio.
4.2. O cultivo em estufas, como o ilustrado na Fotografia B da Figura 4, visa, entre outros aspetos,
(A) adequar as culturas temporárias às condições edafoclimáticas da região.
(B) aproveitar as reservas de água doce dos aquíferos para a utilização na rega.
(C) permitir a produção em períodos fora da época do ciclo vegetativo normal.
(D) potenciar a insolação, para intensificar a produção de hortofrutícolas na época estival.
4.3. Identifique as duas afirmações verdadeiras, com base na análise das fotografias da Figura 4 e no conhecimento sobre as áreas rurais.
I.  Nas estufas, a hidroponia é uma técnica que se adequa à produção de culturas hortofrutícolas.
II. O sistema de montado acentua a desertificação na região do Alentejo.
III. A criação extensiva do porco ibérico é um entrave à certificação dos produtos derivados.
IV. As técnicas de produção utilizadas no olival contribuem para o aumento da produtividade.
V. O trabalho agrícola é dificultado pela morfologia do relevo dominante na região do Alentejo.
4.4. O montado é um sistema agro-silvo-pastoril de grande valor natural, económico e social. Embora sejam valorizados diversos produtos, destaca-se a cortiça pelo seu valor económico.
Justifique a importância da cortiça nacional para a economia do país, apresentando dois argumentos.
4.5. As Imagens A e B correspondem à mesma área rural em dois anos diferentes, 2004 (A) e 2019 (B).

Duas das alterações na paisagem agrária visíveis na área da Imagem B, decorrentes da construção de estufas, são
(A) a densificação dos caminhos rurais e a maior regularidade das parcelas agrícolas.
(B) a intensificação do sistema de cultivo e a maior regularidade das parcelas agrícolas.
(C) a intensificação do sistema de cultivo e a maior dispersão do povoamento rural.
(D) a densificação dos caminhos rurais e a maior dispersão do povoamento rural.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Explorações Agrícolas, Número de Explorações, Explorações com Produção Florestal, Energia Renovável

Exame Nacional de Geografia 2021 – 1.ª Fase – Versão 1
Questão 3
3. Em Portugal, em 2016, 15,9 mil explorações agrícolas desenvolveram atividades lucrativas não agrícolas complementares à atividade agrícola, o que corresponde a 6,1% do total das explorações.
Na Tabela 1, são apresentados três indicadores referentes às atividades lucrativas não agrícolas complementares à atividade agrícola.

3.1. Indique a opção que corresponde ao sectograma que exprime o número de explorações, em percentagem, em 2016, com atividades lucrativas não agrícolas, apresentadas na Tabela 1.

3.2. De acordo com a Tabela 1, entre 2009 e 2016, verificou-se um maior crescimento do número de explorações com a atividade lucrativa não agrícola de
(A) produção de energias renováveis.
(B) artesanato e transformação de produtos agrícolas não alimentares.
(C) transformação de produtos agrícolas alimentares.
(D) turismo rural e atividades diretamente relacionadas.
3.3. A percentagem de explorações com produção florestal em 2016, no contexto das atividades lucrativas não agrícolas complementares à agricultura, explica-se, entre outras razões,
(A) pelo lucro proporcionado pelos subprodutos florestais.
(B) pela abundância de mão de obra disponível nas áreas rurais.
(C) pelo rendimento agrícola proporcionado pelos subprodutos da madeira.
(D) pela disponibilidade de emprego qualificado no sector florestal.
3.4. As atividades lucrativas não agrícolas complementares à atividade agrícola são geradoras de desenvolvimento nas áreas rurais, na medida em que podem
(A) aumentar substancialmente os custos de produção agrícola.
(B) valorizar os recursos endógenos em territórios de baixa densidade.
(C) ocupar os solos com maior aptidão produtiva agrícola.
(D) abastecer com maior regularidade os mercados grossistas.
3.5. Justifique, recorrendo a dois exemplos, a importância da produção de energia renovável como atividade lucrativa não agrícola da exploração, observada na Tabela 1.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 13 de setembro de 2021.

Geografia: Linha da Frente – A invasão da Agricultura Insustentável vs Agricultura Biológica

Canal: RTP;
Programa: Linha da Frente;
Tema: A invasão da Agricultura Insustentável vs Agricultura Biológica;
Duração: 33:52

Fonte: RTP, consultado a 11 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial – Agricultura, Regiões Agrárias

Exame Nacional de Geografia 2020 – Época Especial
Questões 3-5
3. Em Portugal, a agricultura continua a enfrentar constrangimentos e desafios.

3.1. As duas NUTS II da Figura 2 que apresentam produtores agrícolas com uma idade média inferior à média nacional, nos três anos considerados, são
(A) a Região Autónoma da Madeira e o Norte.
(B) a Região Autónoma dos Açores e o Norte.
(C) a Área Metropolitana de Lisboa e a Região Autónoma da Madeira.
(D) a Área Metropolitana de Lisboa e a Região Autónoma dos Açores.
3.2. De acordo com a Figura 2, podemos afirmar que, entre o ano de 2009 e o ano de 2016, a idade média do produtor agrícola aumentou
(A) um ano em todo o território nacional.
(B) dois anos em todas as NUTS II.
(C) três anos na Região Autónoma dos Açores.
(D) quatro anos na Região Autónoma da Madeira.
3.3. A idade média do produtor agrícola em Portugal, observada na Figura 2, constitui um dos fatores que limitam
(A) a adoção de técnicas agrícolas especializadas.
(B) a aplicação de capital financeiro e humano.
(C) a adoção de fertilizantes naturais.
(D) a difusão do saber experiencial e herdado.
Prova 719/E. Especial • Página 7/ 18
4. Em Portugal, as áreas ocupadas com a monocultura intensiva e superintensiva do olival têm vindo a aumentar, gerando impactes ambientais negativos.
Refira, justificando, dois impactes ambientais deste sistema de cultura em regiões como o Alentejo.
5. Considere as seguintes afirmações.
I. A fragmentação das explorações favorece o desenvolvimento rural em regiões agrárias como as de Entre Douro e Minho.
II. Nas aldeias da Rede de Aldeias de Xisto, a pluriatividade contribui para o aumento do êxodo rural.
III. A formação digital dos produtores agrícolas visa reduzir a ocupação da SAU.
IV. Modalidades do TER, como o turismo da natureza, contribuem para a redução da pegada ecológica.
V.  Os produtos agroflorestais das serras do Algarve contribuem para dinamizar a indústria agroalimentar de produtos regionais e locais.
As afirmações verdadeiras são
(A) II e IV.
(B) IV e V.
(C) III e V.
(D) I e III.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – Agricultura – Bio-Regiões – PAC 2014-2020

Exame Nacional de Geografia 2020 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 6
6. As bio-regiões estão inseridas numa área geográfica onde os agricultores, os operadores turísticos, as associações, o poder local e restantes cidadãos assinaram um acordo para a gestão sustentável dos recursos locais, partindo de um modelo biológico e agroecológico.
Fonte: S. Basílio, Bio-Região: novo modelo de desenvolvimento rural, INNER,
in www.rederural.gov.pt (consultado em novembro de 2019). (Adaptado)

Considere a Figura 4, que se refere a algumas iniciativas desenvolvidas no âmbito das bio-regiões.

6.1. De acordo com a Figura 4, o desenvolvimento de projetos como o das bio-regiões é importante para os territórios envolvidos, porque contribui para
(A) valorizar a cooperação intermunicipal.
(B) aumentar a importação de produtos tradicionais.
(C) incrementar o autoaprovisionamento dos territórios.
(D) preservar os recursos exógenos.
6.2. Os territórios que fazem parte da Rede das Bio-Regiões, referidos na Figura 4, visam promover o desenvolvimento sustentável.
Considere as seguintes iniciativas.
I. Criação de infraestruturas de saneamento básico.
II. Requalificação do património histórico-cultural.
III. Organização de eventos desportivos.
IV. Prática de agricultura biológica.
V. Implementação do turismo religioso.
Identifique as duas iniciativas que estão associadas às bio-regiões, de acordo com a Figura 4.
6.3. Apresente, justificando, duas razões que mostrem a importância da realização de feiras raianas para a valorização dos produtos locais.
6.4. A PAC 2014-2020 tem incentivado medidas de proteção ambiental, por exemplo, através
(A) do recurso ao sistema agrícola monocultural.
(B) da ocupação do solo com hortas familiares.
(C) do uso regular de produtos de síntese.
(D) da manutenção do solo com prados permanentes.
6.5. A competitividade de alguns sectores da agricultura portuguesa, como o das frutas, legumes e flores, pode ser conseguida, por exemplo, através
(A) do recurso à hidroponia, como estratégia de adequação das sementes às características específicas do solo.
(B) da adoção de uma gestão racional e criteriosa do solo arável, de modo que as técnicas tradicionais sejam valorizadas.
(C) do apoio científico, que permite a seleção de espécies mais adaptadas às condições edafoclimáticas das regiões.
(D) da reestruturação fundiária, como o parcelamento das explorações, facilitadora da colocação de produtos no mercado.
Correcção: AQUI
Fonte: Iave, consultado a 10 de setembro de 2021.