web analytics

Geografia 10.º Ano – Exercícios sobre a Radiação Solar, Aproveitamento da Radiação Solar, Energia Solar

1. Lê atentamente o documento 1.

Doc. 1 Sol nosso que nos dás energia.

Em Portugal o Sol ainda é sinónimo de praia e turismo, mas o proveito deste recurso natural é mais amplo. A luz solar como fonte renovável, produtora de energia elétrica, é cada vez mais apetecível. A localização geográfica do país potencia esta área.

1.1. Define aproveitamento da radiação solar passivo e aproveitamento da radiação solar ativo.
1.2. Distingue o aproveitamento passivo da radiação solar no verão e no inverno.
1.3. Indique duas utilizações da Energia Solar Fotovoltaica.
1.4. Indique duas vantagens e duas desvantagens da Energia Solar Fotovoltaica.

Soluções:

Read more

Geografia 10.º Ano – Exercícios sobre a Radiação Solar

1. Observe os mapas das fig. 1 e 2 relativos à distribuição das temperaturas médias, em Portugal.

isotérmicas

1.1. Os mapas representados classificam-se em mapas de
(A) isoietas. (B) isotérmicos. (C) isossistas. (D) isóbaras.

1.2. As amplitudes térmicas anuais mais elevadas de Portugal continental verificam-se
(A) no Nordeste do país. (B) no litoral Norte e Centro.
(C) no interior alentejano. (D) nas terras altas do Noroeste.

1.3. A distribuição espacial da temperatura média do ar em Portugal continental apresenta um gradiente térmico na direção
(A) litoral-interior, durante o inverno. (B) norte-sul, durante o verão.
(C) norte-sul, durante o inverno. (D) litoral-interior, em qualquer estação do ano.

1.4. Analisando a distribuição das isotérmicas em janeiro podemos referir que:
(A) A temperatura aumenta de sudeste para noroeste com uma amplitude de 5°C.
(B) A temperatura aumenta de nordeste para sudeste com uma amplitude de – 5°C.
(C) A temperatura diminui do litoral para o interior com uma amplitude de 19° C.
(D) A temperatura diminui de sudoeste para nordeste com uma amplitude de 5°C.

1.5. No mapa de julho a região identificada pela letra A e B regista:
(A) Inflexão para Este no vale superior do Douro, por influência do relevo e uma inflexão para Este que se regista ao longo do vale do rio Mondego.
(B) Inflexão para Este no vale superior do Douro, por influência do relevo e uma inflexão para Oeste que se regista ao longo do vale do rio Mondego.
(C) Inflexão para Oeste no vale superior do Douro, por influência do relevo e uma inflexão para Este que se regista ao longo do vale do rio Mondego.
(D) Inflexão para Oeste no vale superior do Douro, por influência do relevo e uma inflexão para Oeste que se regista ao longo do vale do rio Mondego.

1.6. As linhas representadas no mês de janeiro
(A) Posição oblíqua em relação à linha de costa.
(B) Posição horizontal em relação à linha de costa.
(C) Posição paralela em relação à linha de costa.
(D) Posição perpendicular em relação à linha de costa.

1.7. Em latitude, a Diferenciação Norte-Sul
(A) No Norte as temperaturas mais baixas e no Sul as temperaturas mais baixas.
(B) No Norte as temperaturas mais baixas e no Sul as temperaturas mais elevadas.
(C) No Norte as temperaturas mais elevadas e no Sul as temperaturas mais baixas.
(D) No Norte as temperaturas mais elevadas e no Sul as temperaturas mais elevadas.

1.8. Na proximidade/afastamento do mar, a Diferenciação Litoral – Interior
(A) No litoral as temperaturas mais amenas e no interior as temperaturas mais rigorosas.
(B) No litoral as temperaturas mais rigorosas e no interior as temperaturas mais rigorosas.
(C) No litoral as temperaturas mais amenas e no interior as temperaturas mais amenas.
(D) No litoral as temperaturas mais rigorosas e no interior as temperaturas mais amenas.

1.9. Na distribuição da insolação e radiação solar global em Portugal:
(A) Quanto maior a altitude, menor a temperatura, que diminui 6 °C por cada 100 metros – gradiente térmico vertical da termosfera.
(B) Quanto maior a altitude, menor a temperatura, que diminui 5 °C por cada 100 metros – gradiente térmico vertical da termosfera.
(C) Quanto maior a altitude, menor a temperatura, que diminui 6 °C por cada 1000 metros – gradiente térmico vertical da troposfera.
(D) Quanto maior a altitude, menor a temperatura, que diminui 5 °C por cada 1000 metros – gradiente térmico vertical da troposfera.

1.10. Em altitude o ar é
(A) menos rarefeito possui menos partículas e gases atmosféricos, tendo maior capacidade de reter calor.
(B) mais rarefeito possui menos partículas e gases atmosféricos, tendo maior capacidade de reter calor.
(C) menos rarefeito possui menos partículas e gases atmosféricos, tendo menor capacidade de reter calor.
(D) mais rarefeito possui menos partículas e gases atmosféricos, tendo menor capacidade de reter calor.

Soluções:

Read more

Geografia – 10.º ano – Exame Nacional de Geografia – Radiação Solar (III) (Formulário Google Forms)

Questões de Exame Nacional de Geografia – Google Forms

Fonte: IAVE, consultado a 5 de abril de 2023

Geografia – 10.º ano – Exame Nacional de Geografia – Radiação Solar (II) (Formulário Google Forms)

Questões de Exames Nacionais de Geografia (II)

Fonte: IAVE, consultado a 5 de abril de 2023

Geografia – 10.º ano – Exame Nacional de Geografia – Radiação Solar (I) (Formulário Google Forms)

Questões de Exame Nacional de Geografia – Radiação Solar (I)

Fonte: IAVE, consultado a 5 de abril de 2023.

Geografia – Fusion Fuel inicia em Évora projeto pioneiro de hidrogénio verde para a rede elétrica

A Fusion Fuel acaba de ligar à rede elétrica portuguesa o projeto H2Évora, no qual usa uma pilha de combustível, alimentada com hidrogénio verde, para injetar eletricidade na rede durante os picos de consumo.

A empresa portuguesa Fusion Fuel, cotada no índice norte-americano Nasdaq, já ligou à rede elétrica portuguesa o seu projeto de demonstração H2Évora, uma instalação que permite injetar na rede eletricidade obtida a partir de hidrogénio verde, num projeto pioneiro de armazenamento de energia e flexibilidade de produção.
Este projeto recorre a 15 dispositivos Hevo-Solar, fabricados em Portugal pela Fusion Fuel. Trata-se de eletrolisadores acoplados a painéis solares de concentração (com uma capacidade de geração superior à dos convencionais módulos fotovoltaicos), que produzem hidrogénio verde.
Embora seja um processo energeticamente ineficiente (usar eletricidade renovável para produzir hidrogénio para voltar a gerar eletricidade), esta solução pode vir a funcionar como uma alternativa de armazenamento de energia e flexibilidade para a rede elétrica, funcionando em complemento com outras soluções de armazenamento de curta duração, como as baterias de lítio.
Segundo a Fusion Fuel, o H2Évora produzirá 15 toneladas de hidrogénio verde por ano. A pilha de combustível usada no projeto de demonstração tem 200 kilowatts (kW), pelo que os volumes que serão injetados na rede elétrica serão ainda residuais.
O principal interesse deste tipo de solução, nota a Fusion Fuel, é aproveitar o H2Évora para vender eletricidade à rede nos períodos de pico de consumo (que tendem a coincidir com preços grossistas de eletricidade mais altos).
A Fusion Fuel tem vários outros projetos de hidrogénio verde em desenvolvimento em Portugal, sendo um dos principais em Sines.

Fonte: Expresso, consultado a 5 de abril de 2023

Geografia – Fusion Fuel: empresa portuguesa que produz hidrogénio a partir de radiação solar

Fomos conhecer a empresa nacional, com clientes em Espanha e nos EUA, que se especializou em conseguir produzir hidrogénio verde, a partir da radiação solar. O painel de acrílico proprietário tem um papel fundamental em todo o processo de desenvolvimento e produção. A Fusion Fuel produz praticamente todos os componentes necessários para este projeto. A estimativa é de que em dois anos este sistema de produção de hidrogénio já seja rentável.

Fontes: Visão e Sapo Vídeos, consultado a 5 de abril de 2023.

Notícias: 29 de Junho de 2022: o dia mais curto registado na Terra

29 de Junho de 2022: o dia mais curto registado na Terra
Nos últimos anos, a velocidade de rotação da Terra sobre o eixo (o que determina um dia) tem vindo a aumentar.

A Terra registou o seu dia mais curto desde que se começaram a usar relógios atómicos para avaliar a velocidade da sua rotação, de acordo com o site Timeanddate. Tudo aconteceu a 29 de Junho de 2022: nesse dia, a Terra demorou menos 1,59 milissegundos a completar uma rotação. O dia não chegou assim a ter 24 horas (ou 86.400 segundos).

A Terra gira uma vez a cada 24 horas. Geralmente, frisa-se no Timeanddate, durante longos períodos de tempo, a rotação da Terra vai abrandando. “A cada século, a Terra leva um par de milissegundos ou até mais para completar uma rotação”, lê-se no site. Contudo, apesar deste padrão, a velocidade de rotação do planeta vai flutuando. E, nos últimos anos, <strong>a velocidade de rotação da Terra sobre o eixo (o que determina um dia) tem vindo mesmo a aumentar.

Em 2020, o Timeanddate indicava que a Terra tinha atingido então o seu dia mais curto desde que se começaram a usar relógios atómicos para avaliar a velocidade da sua rotação: 19 de Julho desse ano. Nesse dia, a Terra demorou menos 1,48 milissegundos a completar uma rotação.

E porque se começaram a usar relógios atómicos nessa avaliação? Tudo começou na década de 50 do século passado. Em 1955 foram inventados esses relógios e, anos depois, definiu-se o segundo com base na frequência da radiação electromagnética emitida por certos átomos. A vantagem é que esse segundo “atómico” era muito próximo do segundo “natural” (com base no dia solar). Actualmente, os segundos atómicos são mesmo responsáveis por determinar a hora atómica internacional – afinal, há uma uma rede de centenas de relógios atómicos pelo mundo.

Fonte: Público, consultado a 14 de agosto de 2022.

Exame Nacional Geografia 2018 – 1.ª Fase: A radiação solar.

11. O Sol é uma fonte de energia primária que, através da radiação solar, permite o desenvolvimento de
atividades económicas como a agricultura.
A Figura 5 ilustra alguns dos processos relacionados com a radiação solar e com a radiação terrestre.
Esses processos estão assinalados com as letras W, X, Y e Z.

11.1. Na Figura 5, a reflexão, a absorção, a radiação solar direta e a radiação terrestre correspondem, respetivamente, às letras
(A) X, Z, Y e W.
(B) X, W, Y e Z.
(C) W, Z, X e Y.
(D) Y, W, X e Z.
11.2. Refira duas formas de aproveitamento da radiação solar que contribuam para reduzir os custos da produção agrícola.
No Scribd podem consultar e guardar a ficha e as respectivas soluções.

Geografia 7º Ano – Estado do tempo e clima

Antes de abordar a matéria de Geografia do 10º ano “Recursos Hídricos“, é necessário rever alguns conceitos fundamentais dados no 7º ano.
Esta publicação é um complemento à publicação Radiação Solar
Conceitos fundamentais da unidade “Estado do tempo e clima“:
Estado do tempo: corresponde ao estado da atmosfera num dado momento e num determinado lugar;
Clima: corresponde à sucessão habitual dos diferentes estados do tempo numa determinada região;
Elementos do clima: temperatura, pressão atmosférica, precipitação, humidade do ar, nebulosidade;
Movimento de rotação: movimento que a terra executa sobre o seu eixo, realiza-se de Oeste para Este, demora aproximadamente 24 horas;
Dia natural: é o espaço de tempo que decorre entre o nascer e o pôr do sol;
Ângulo de incidência: é o ângulo que os raios solares fazem com o plano tangente à superfície da Terra no lugar de observação;
Movimento de translação: movimento que a Terra executa em torno do Sol;
Equinócio: quando o Sol se encontra no mesmo plano do equador (noites iguais aos dias);
Solstício: quando o Sol se encontra no mesmo plano dos trópicos;
Movimento anual aparente do Sol: é o movimento que o Sol parece realizar ao longo do ano, entre os trópicos de Câncer e Capricórnio.