web analytics

Geografia – Variação percentual das remessas recebidas em Portugal, principais países de origem das transferências, 2002-2020

Variação percentual das remessas recebidas em Portugal, principais países de origem das transferências, 2002-2020
(Atualizado a 4 de outubro de 2021)

Gráfico elaborado pelo Observatório da Emigração, valores da Banco de Portugal.
Fonte: Observatório da Emigração, consultado a 25 de outubro de 2022.

Geografia – O que mais se pesca em Portugal?

Infografia: O que mais se pesca em Portugal?

Fonte: Pordata, consultado a 1 de setembro de 2022.

Geografia – Mirandela: Cachão é a primeira localidade do país a ter gás renovável

Cachão é a primeira localidade do país a ter gás renovável

O Grupo Dourogás avançou, na passada terça-feira, com a primeira injeção de biometano na rede de gás natural, em Portugal, na Unidade Autónoma de Gaseificação (UAG) de Urjais, no concelho de Mirandela.

“Até agora, em Portugal, todas as redes de gás natural tinham apenas gás natural fóssil mas, a partir de hoje, há uma rede que tem uma percentagem de gás renovável: o biometano. E a população do Cachão será a primeira do país a ser alimentada por gás renovável”, adiantou Nuno Moreira, CEO da Dourogás.
O gás biometano tem origem num projeto pioneiro da Dourogás e da Resíduos do Nordeste (RN) – empresa intermunicipal que gere o sistema de tratamento de resíduos sólidos urbanos do distrito de Bragança – que permite a produção de gás 100% renovável a partir da digestão anaeróbia de resíduos orgânicos que são depositados naquele aterro sanitário.

Desde 2011, que a RN produz biogás que fornece à Dourogás que instalou uma unidade de abastecimento de gás natural a veículos, sobretudo os cerca de 40 camiões do lixo da Resíduos do Nordeste, outros veículos pesados que passam no local, a própria frota de logística do grupo, e também viaturas ligeiras de turistas e emigrantes.
Já em 2017, a Dourogás instalou um equipamento que faz a limpeza do biogás do aterro e transforma em biometano para ser substituto do gás natural, que já tem vindo a ser utilizado para abastecer as viaturas da RN.

“Desde 2020, foram criadas as condições regulatórias para se poder iniciar a injeção na rede e com este equipamento que faz o controlo da qualidade e do poder calorífico do biometano, de forma a garantir que este se adequa aos consumidores. Um tubo levará este gás desde o aterro sanitário até ao complexo agro-industrial do Cachão, onde abastecerá dez clientes industriais e cerca de 80 clientes domésticos”, adiantou Nuno Moreira.

A ideia é que os primeiros tempos possam servir para fazer ensaios nos equipamentos, para perceber se, até ao final do ano, será possível chegar a 100% de gás renovável nesta rede que é mais reduzida. “Os equipamentos de todos estes clientes estão preparados para receber biometano, já que este gás não exige adaptações face ao gás natural. No entanto, sendo esta a primeira injeção, a Dourogás considerou prudente ir injetando numa percentagem crescente”, acrescentou.

A Dourogás já investiu cerca de 1,5 milhões de euros nos equipamentos instalados no Cachão. O objetivo é “contribuir para a descarbonização da economia nacional, através da afirmação dos gases renováveis, nomeadamente do biometano 100% renovável. “Estamos no caminho para que Portugal deixe de ser importador de gás natural e passe a ser produtor, e até exportador, de gases renováveis”, acredita.

Fonte: Mensageiro de Bragança, consultado a 17 de agosto de 2022

Geografia – Mapa de Praias

Sistemana Nacional de Informação de Ambiente (SNIAMB) – Mapa de Praias

No site do SNIAMB podemos consultar o nível de limpeza e qualidade das águas costeiras, o número de águas balneares, número de bandeiras azuis e outras informações relevantes sobre as nossas praias.

Link: Mapa de Praias, consultado a 14 de agosto de 2022.
Fonte: Sniamb, consultado a 14 de agosto de 2022.

Geografia: Mapa interativo: Portugal tem 75 praias com risco de derrocada

Mapa interativo. Portugal tem 75 praias com risco de derrocada
A Agência Portuguesa do Ambiente divulgou uma lista de 75 praias com arribas perigosas, todas situadas no sul do país.

Com as temperaturas elevadas do verão, um dos destinos preferidos dos portugueses são as praias. A beleza natural da costa portuguesa é muito concorrida como local de eleição de muitos para as suas férias, mas também esconde alguns perigos.
A Agência Portuguesa do Ambiente (APA) dá conta de 75 praias portuguesas, todas na região do Algarve, onde os veraneantes devem ter especial cuidado com o risco de derrocada de arribas.
Em Albufeira encontram-se 24 praias com zonas de perigo de desmoronamento, tornando este no concelho com mais faixas de risco em Portugal continental.
Em Lagoa, são 17 as praias sinalizadas, enquanto Vila do Bispo tem 11 praias com arribas instáveis e Portimão nove. Em Aljezur estão sinalizadas sete praias em perigo e em Lagos existem cinco praias em risco.
No concelho de Silves, a APA alerta para o perigo nos dois sentidos, Poente e Nascente, na Praia de Armação de Pêra.


Legenda: As 75 arribas de risco no Algarve.

De acordo com a Agência Portuguesa do Ambiente, os desmoronamentos ocorrem de forma instantânea, “dependendo de inúmeros fatores, como a intensidade e frequência da ação de agentes climáticos, a fraturação e o tipo de rocha em que a arriba é talhada, a ocupação humana, a presença de vegetação, a vibração, a sismicidade, entre outros”.
As faixas de risco correspondem “à área passível de ser ocupada pelos resíduos de desmoronamentos”, com uma largura igual a 1,5 vezes a altura da própria arriba.
Desta forma, em conjunto com outras entidades, a APA assinalou, com placas de risco, as praias portuguesas cujas arribas estão em perigo de desmoronamento, de modo a evitar cenários indesejáveis. Para garantir o respeito pela sinalética de perigo, a permanência ou circulação em zonas interditas pode levar ao pagamento de coimas, com valores entre os 30 e os 100 euros.

Mapa interativo: 75 arribas de risco no Algarve, consultado a 14 de agosto de 2022.
Informação e folhetos informativos: Agência Portuguesa do Ambiente (APA), consultado a 14 de agosto de 2022.
Exemplo de folheto informativo: Praia do Alvor – Nascente, consultado a 14 de agosto de 2022.

Fonte: Rádio Renascença, consultado a 14 de agosto de 2022.

Notícias: 29 de Junho de 2022: o dia mais curto registado na Terra

29 de Junho de 2022: o dia mais curto registado na Terra
Nos últimos anos, a velocidade de rotação da Terra sobre o eixo (o que determina um dia) tem vindo a aumentar.

A Terra registou o seu dia mais curto desde que se começaram a usar relógios atómicos para avaliar a velocidade da sua rotação, de acordo com o site Timeanddate. Tudo aconteceu a 29 de Junho de 2022: nesse dia, a Terra demorou menos 1,59 milissegundos a completar uma rotação. O dia não chegou assim a ter 24 horas (ou 86.400 segundos).

A Terra gira uma vez a cada 24 horas. Geralmente, frisa-se no Timeanddate, durante longos períodos de tempo, a rotação da Terra vai abrandando. “A cada século, a Terra leva um par de milissegundos ou até mais para completar uma rotação”, lê-se no site. Contudo, apesar deste padrão, a velocidade de rotação do planeta vai flutuando. E, nos últimos anos, <strong>a velocidade de rotação da Terra sobre o eixo (o que determina um dia) tem vindo mesmo a aumentar.

Em 2020, o Timeanddate indicava que a Terra tinha atingido então o seu dia mais curto desde que se começaram a usar relógios atómicos para avaliar a velocidade da sua rotação: 19 de Julho desse ano. Nesse dia, a Terra demorou menos 1,48 milissegundos a completar uma rotação.

E porque se começaram a usar relógios atómicos nessa avaliação? Tudo começou na década de 50 do século passado. Em 1955 foram inventados esses relógios e, anos depois, definiu-se o segundo com base na frequência da radiação electromagnética emitida por certos átomos. A vantagem é que esse segundo “atómico” era muito próximo do segundo “natural” (com base no dia solar). Actualmente, os segundos atómicos são mesmo responsáveis por determinar a hora atómica internacional – afinal, há uma uma rede de centenas de relógios atómicos pelo mundo.

Fonte: Público, consultado a 14 de agosto de 2022.

Geografia – Agricultura: Qual a dimensão média das explorações agrícolas em Portugal?

Agricultura: Qual a dimensão média das explorações agrícolas em Portugal?

Latifúndios e minifúndios, área média (ha) das explorações agrícolas por concelho em 2019.

Infografia

Fonte: Pordata, consultado a 14 de agosto 2022.

Geografia – Agricultura: O que mudou na superfície agrícola em Portugal?

Agricultura: O que mudou na superfície agrícola em Portugal?

Dados comparativos, 1989 e 2019, da evolução da superfície agrícola em Portugal.
Foram comparados o número de hectares, terras aráveis, culturas permanentes, pastagens pernamentes e hortas familiares.

Infografia:

Fonte: Pordata, consultado a 14 de agosto de 2022.

Notícias: Lisboa concentra 22% de toda a habitação social portuguesa.

Lisboa concentra 22% de toda a habitação social portuguesa

Estudo feito pela Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) e divulgado esta segunda-feira faz o retrato do bem-estar da população nos municípios portugueses. Territórios mais urbanos têm maiores rendimentos brutos anuais e a maior parte da população vive em apenas 30 municípios. Ao DN, Rosário Mauritti explica as metodologias e conclusões.

São sete municípios a nível nacional. Juntos, agregam mais de metade da habitação social de Portugal e 22% das casas sociais estão localizadas na região de Lisboa.
(…)
Para o fazer, os investigadores começaram por dividir o território em cinco clusters (ou grandes grupos). “Os municípios que fazem parte de cada uma das divisões acabam por ser próximos do ponto de vista da densidade populacional ou a escolaridade da população ativa, por exemplo”, explicou ao DN Rosário Mauritti.

Nota muito importante: As 5 infografias da notícia foram publicadas em artigos separados, para uma melhor leitura, e podem ser encontrados abaixo deste artigo. Obrigado.

Estudo completo AQUI – FFMS

Fontes:
Diário de Notícias, consultado a 3 de agosto de 2022.
Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), consultado a 3 de agosto de 2022.

Notícias: Lisboa concentra 22% de toda a habitação social portuguesa – Territórios de Baixa Densidade

Habitação social portuguesa – Territórios de Baixa Densidade

Infografia:

Estudo completo AQUI – FFMS

Fontes:
Diário de Notícias, consultado a 3 de agosto de 2022.
Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), consultado a 3 de agosto de 2022.