web analytics

Siglas Poveiras – António Santos Graça – O Poveiro (4/4)

As marcas são a escrita do Poveiro.

Têm muita analogia com a escrita egípcia porque constituem imagens de objectos: Sarilho, Coice (imagem de parte da quilha de um barco) Arpão, Pé-de-Galinha, Grade, Lanchinha, Calhorda, Pena, etc.

As marcas estão nas redes, nas velas, nos mastros, nos paus de varar, nos lemes, nos bartedoiros, nos boiréis, nas talas, nas facas da cortiça, nas mesas, nas cadeiras, em todos os objectos que lhe pertençam, quer no mar, na praia ou em casa. A marca num objecto equivale ao registo de propriedade. O Poveiro lê essas marcas com a mesma facilidade com que nós procedemos à leitura do alfabeto.

Não são marcas organizadas ao capricho de cada um, mas antes simbolismos ou brasões de famílias, que vão ficando por herança de pais para filhos e que só os herdeiros podem usar.

Casos curiosos encontramos ao colher as nossas notas sobre as marcas, sobretudo quando, ao organizar a árvore de uma família, encontrávamos a velha tradição quebrada, isto é, quando verificávamos que na descendência não era seguida a fórmula usada para distinção da marca pela comunidade. Estes factos, curiosos e interessantes para esse estudo, ficam mais adiante anotados. (…)

(…) Estes são, digamos, os brasões de família.

Vejamos, agora, a forma engenhosa como essa marca serve de escrita a todos os membros duma família, com perfeito conhecimento de toda a comunidade.

Ao contrário do que sucede aos filhos de algo, o mais velho dos quais é que é o herdeiro do brasão.
Ver a gravura – Regras usadas pelos descendentes.

As grades, estrelas e cruzes servem também de brasões quando por si só constituem a marca, ou quand (…)
O chefe usa a marca brasão ; o filho mais velho põe-lhe ao lado um pique; o outro a seguir, dois piques; o outro três piques e assim sucessivamente até ao filho mais novo, que volta a usar a marca de família, porque é o seu legítimo herdeiro1. Estes piques são agrupados de formas diferentes: umas vezes, são alinhados; outras vezes, formam cruzes e estrelas; outras vezes, grades, conforme o número de piques2. Para se conhecer a que filho pertence a marca que nos apresentam, basta contar-se os piques que estão alinhados ou que formam as estrelas, grades ou cruzes3 que rodeiam o tronco da marca familiar. E sendo isto a fórmula corrente, tradicional, fácil é, portanto, a quem conhece o tronco da marca saber a quem pertence o objecto ou apresto marítimo onde a mesma se encontre.

Fácil nos foi chegar a esta conclusão nos estudos que fizemos, porque, invariavelmente, na organização das árvores familiares encontrávamos a linha recta desta tradição poveira.
(…)

Para saber mais… ler “O Poveiro” de António Santos Graça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *