web analytics

Geografia 11.º Ano – Floresta: Principais árvores em Portugal Continental

Principais árvores em Portugal Continental, milhares de hectares, 2015.

Fonte: Pordata, consultado a 11 de maio de 2022

Geografia – Pegada Ecológica dos Municípios Portugueses

Pegada Ecológica dos Municípios Portugueses
O Projeto Pegada Ecológica dos Municípios Portugueses resulta de uma parceria estratégica entre a ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável, a Global Footprint Network (GFN) e a Unidade de Investigação GOVCOPP da Universidade de Aveiro. Foram seis os municípios pioneiros que integraram o projeto: Almada, Bragança, Castelo Branco, Guimarães, Lagoa e Vila Nova de Gaia; e, agora são aderentes os municípios: Barcelos, CIRA (Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro), Águeda, Albergaria-a-Velha, Anadia, Aveiro, Estarreja, Ílhavo, Murtosa, Oliveira do Bairro, Ovar, Sever do Vouga e Vagos. – Municípios Aderentes
O projeto visa a construção de conhecimento e o fortalecimento da capacidade local em matéria de ambiente, através do cálculo e interpretação de dados vitais para enfrentar desafios ambientais complexos. Em última análise, o projeto visa influenciar políticas de coesão territorial e promover novos instrumentos e políticas públicas que reforcem o caminho em direção ao desenvolvimento sustentável dos municípios e do país.
Mais informações: Pegada Municípios
Fonte: Pegada Ecológica dos Municípios Portugueses, consultado a 18 de abril de 2022.

Geografia – Global Footprint Network

O site Global Footprint Network, apresenta um conjunto de informações, dados, calculadoras e ferramentas para quem está interessado em aprofundar os conhecimentos na área da Ecológia, Pegada Ecológica e Sustentabilidade.
Site: Global Footprint Network

Fonte: Global Footprint Network, consultado a 18 de abril de 2022.

Geografia: Pegada Ecológica

Site onde podes calcular a tua Pegada Ecológica, quantos Planetas seriam precisos se todos vivessem como eu e tu e qual o dia de Sobrecarga da Terra.
Pronto para o primeiro passo? Aceitas o desafio? – Clica no link: Pegada Ecológica

Fontes: global footprint network, consultado a 18 de abril de 2022.

Geografia – População: Que futuro tem a raia despovoada?

FIm de Linha – Peças Jornalisticas
Que futuro tem a raia despovoada?
Uma abordagem interessante, sobre o despovoamento e as suas consequências, para as aulas do 10.º ano.

Fonte: Público, consultado a 18 de abril de 2022.

Geografia – Civisa: Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores

Civisa: Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores
Para acompanhar ao detalhe, toda a situação sismovulcânica dos Açores, consulte o site CIVISA.
CIVISA CENTRO DE INFORMAÇÃO E VIGILÂNCIA SISMOVULCÂNICA DOS AÇORES

Notícias – Sismos na ilha de São Jorge quase a atingir os 25 mil registados

Quase 25 mil sismos registados na ilha de São Jorge e 221 sentidos pela população
A média é agora de “800 sismos por dia”, uma frequência diária considerada muitíssimo acima do que é normal nos Açores.
A ilha de São Jorge, nos Açores, registou perto de 25 mil sismos desde 19 de março, dos quais 221 foram sentidos pela população, revelou esta sexta-feira o presidente do Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores (CIVISA).
“Foram registados 24.919 sismos até às 10:30 de hoje”, indicou o responsável aos jornalistas, no ‘briefing’ diário na ilha de São Jorge sobre a crise sismovulcânica que começou há cerca de duas semanas.
Desde as 00:00 de hoje até cerca das 10:00, foram registados “977 eventos, nenhum sentido pela população”, acrescentou Rui Marques, alertando que a frequência diária de sismos continua “muitíssimo acima” do habitual no arquipélago dos Açores.
(…)
Notícia completa: Diário de Notícias, consultado a 3 de abril de 2022.

Geografia – Glossário Sismológico, IPMA

Glossário Sismológico, IPMA.
Um breve resumo para entender melhor a situação atuação na ilha de São Jorge, Açores.
Acelerómetro – É um sensor que detecta a aceleração associada a movimentos do solo.
Escala de Mercalli – a escala que Giuseppe Mercalli elaborou em 1902 é a mais conhecida das escalas de intensidade. As revisões elaboradas em 1917 por Sieberg (MCS-17), em 1931 por Wood e Newmann (MM-31) e em 1956 por C. F. Richter(MM-56) foram e ainda são extensivamente utilizadas. Em Portugal utilizou-se nos serviços oficiais a escala MSC-17 de 1947 até 1960, a escala MM-31 de 1961 até 1973 (até 1974 nos Açores). A escala MM-56 (lê-se “Escala de Mercalli modificada de 1956”) tem sido a utilizada desde então.
Escala Macrossísmica Europeia de 1998 – esta escala é fruto de um extenso trabalho de revisão de muitas escalas de intensidade utilizadas internacionalmente e foi publicada em 1998 depois da avaliação de uma versão preliminar publicada em 1993. Esta escala tem vindo a ser mundialmente adoptada dada a sua coerência e robustez. É a Escala que o Instituto de Meteorologia vai passar a utilizar brevemente.
Escala de magnitude – são escalas que medem a quantidade de energia libertada de um sismo com base em observações recolhidas através de equipamento sísmico. São escalas abertas pois não têm minimo nem máximo. O valor máximo até hoje medido num sismo é de 9,5 (sismo de Chile em 1960). Os valores de magnitude também podem ser negativos. Existem muitas escalas de magnitude sendo a mais conhecida a Escala de Richter que foi desenvolvida para avaliar sismos locais e regionais na Califórnia por Charles F. Richter.
Epicentro – Ponto à superfície da Terra directamente sobre a vertical do hipocentro ou foco de um sismo.
Estação Sismica – é o conjunto de instrumentos que inclui um sensor, um sistema de registo (analógico ou digital) local ou remoto.
Falha – – É uma fractura ao longo da qual os lados opostos se moveram paralelamente e em sentido oposto entre si. A teoria de Reid descreve que essa fractura foi provocada por uma rotura de materiais frágeis durante um movimento brusco a que denomina “ressalto elástico” o qual se deve à acumulação de tensões originadas na própria dinâmica interna da Terra.
Falha Normal – É uma falha em que o bloco superior desce em relação ao bloco inferior. A direcção do movimento está contida num plano vertical.
Falha Inversa – É uma falha em que o bloco superior sobe em relação ao bloco inferior (em inglês: thrust ou reverse fault ). A direcção do movimento está contida num plano vertical.
Falha de desligamento – É uma falha em que os dois blocos se movem horizontalmente em relação um ao outro ( em inglês: strike-slip fault). A direcção do movimento está contida num plano horizontal.
Falha oblíqua – É uma falha em que a direcção do movimento tem simultaneamente uma componente vertical e uma componente horizontal.
Foco – ou Hipocentro – um ponto no interior da Terra a partir do qual se inicia o processo de rotura de um sismo.
Isossista – É a linha que separa duas zonas de diferente intensidade sísmica. Normalmente as isossistas são linhas fechadas em torno do epicentro.
Intensidade sísmica – É a classificação da severidade do movimento do solo provocado por um sismo numa área limitada com base nos efeitos observados em pessoas, objectos, estruturas e na natureza. A intensidade sísmica depende de um conjunto de factores em que se destacam a energia sísmica libertada, a distância ao epicentro e a geologia local. Para a atribuição de um valor de intensidade é utilizada uma escala em que para cada grau são descritos efeitos típicos. São exemplos de escalas de intensidade sísmica a Escala de Mercalli e a Escala Macrossísmica Europeia.
Neotectónica – É o ramo da geologia que estuda os movimentos e processos tectónicos ocorridos na actual fase de deformação regional da camada superficial rígida da Terra.
Onda Sísmica – São as ondas elásticas produzidas durante um sismo.
Onda de volume – É uma onda sísmica que atravessa o interior da Terra e que não está apenas relacionada com a zona superficial do planeta. As ondas P e S, por exemplo, são ondas de volume ou ondas volúmicas (em inglês: body wave).
Onda P – É uma onda cujo movimento é longitudinal, irrotacional, compressivo e dilatacional. Também é designada por onda primária por ser a primeira a ser detectada.
Onda S – É uma onda cujo movimento é de cisalhamento, rotacional, tangencial, equivolúmica, distorcional e transversa. Também é designada por onda secundária.
Ondas Superficiais – São ondas sísmicas que se propagam ao longo da superfície de um corpo ou ao longo de uma interface sub-superficial. Os dois tipos mais conhecidos são as de Love e as de Rayleigh.
Onda Rayleigh – É uma onda superficial cujo movimento numa superfície livre é retrógrado e elíptico.
Onda de Love – É uma onda superficial cujo movimento numa superfície livre é obliquo ou transverso à direcção de propagação.
Perigo sísmico – É o potencial destrutivo dos sismos, seja qual for a forma que esta capacidade destrutiva se apresente (em inglês: seismic hazard)
Rede Sísmica – É o conjunto de estações sísmicas cuja informação é transmitida para um centro de dados.
Réplicas – É o nome que se dão aos sismos que se seguem ao sismo principal e que se originam no mesmo ambiente sismogénico, decrescendo de frequência e magnitude com o tempo. Geralmente seguem padrões razoavelmente definidos. Durante vários anos podem ser geradas réplicas após um sismo de grande magnitude (em inglês: aftershocks) dados.
Risco Sísmico – Resulta da conjugação entre o perigo sísmico e a vulnerabilidade sísmica numa determinada região e num determinado período de tempo.
Sismologia – É a ciência na área da Geofísica Interna que estuda os sismos e que através deles tenta interpretar a estrutura do interior da Terra.
Sismotectónica – É a área interdisciplinar que estuda a ligação entre os sismos e os movimentos nas falhas que os produzem.~
Sismo – É o tremor do solo devido à passagem de ondas elásticas geradas numa determinada zona da litosfera. São possíveis origens destas ondas elásticas a libertação de energia associada a movimentos súbitos em falhas tectónicas e vários tipos de explosões ou implosões, quer sejam naturais ou artificiais. Os termos terramoto, tremor de terra e sismo são normalmente usados com igual significado.
Sismos naturais – São aqueles que têm a sua origem na dinâmica da própria natureza.
Sismos tectónicos – São sismos que estão relacionados com movimentos de roturas em falhas activas.
Sismos vulcânicos – São os sismos que estão relacionados com processos vulcânicos activos. Há vários tipos de eventos sismo-vulcânicos em que uns são mais relacionados com processos elásticos e outros mais relacionados com processos da dinâmica de fluidos. O estudo da sismologia vulcânica é uma área muito específica em pleno desenvolvimento. O tratamento do sinal sísmico nesta área pode ser desde muito semelhante a completamente diferente daquele utilizado na sismologia tradicional.
Sismos de colapso ou de implosão – São os sismos provocados pelo colapso em cavernas, desmoronamentos em minas, movimentos de massa à superfície ou mudanças de fase mineral em grande profundidade.
Sismos artificiais – São os sismos que tem origem nas acções do Homem sobre a natureza. São exemplos os sismos originados por explosões, por colapsos de minas e os eventos sísmicos induzidos pela extracção ou introdução de materiais na crosta, enchimento de albufeiras, etc.
Sismos premonitórios – São os sismos que geralmente precedem um sismo maior que é considerado o principal de uma série. Os sismos premonitórios podem ocorrer desde vários segundos a vários anos antes do principal mas desenvolvem-se sempre no mesmo ambiente sismogénico deste (em inglês: foreshocks).
Sismómetro – É um sensor que detecta movimentos na superfície da Terra e transmite essa informação para outros aparelhos onde podem ser registados e posteriormente medidos.
Sismograma – É um gráfico produzido por um sismógrafo.
Tectónica – É o ramo da geologia que lida com as causas e efeitos das grandes características estruturais da camada superficial rígida da Terra.
Vulnerabilidade sísmica – é o potencial de danos sobre pessoas e bens que podem ser causados por sismo.
Fonte: IPMA, consultado a 3 de abril de 2022.

Solstício de Inverno

Solstício de Inverno.
A seguinte imagem ilustra os Solstícios de Verão e Inverno e os Equinócios da Primavera e do Outono.

Fonte: Associação Portuguesa de Geógrafos, consultado a 21 de dezembro de 2021.

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – União Europeia, cidades sustentáveis

Exame Nacional de Geografia 2021 – 2.ª Fase – Versão 1
Questão 8
8. A União Europeia está a promover várias iniciativas para tornar as cidades mais sustentáveis e eficientes.
Uma cidade, para melhorar o seu nível de eficiência e sustentabilidade, pode apostar em estratégias como:
A – o reforço da mobilidade urbana sustentável;
B – a redução da produção de resíduos urbanos.
Selecione uma das estratégias, A ou B. De acordo com a estratégia selecionada, apresente duas medidas, explicando de que modo contribuem para melhorar a eficiência e a sustentabilidade das cidades.
Correcção: Aqui
Fonte: Iave, consultado a 15 de setembro de 2021